curso › Biologia e Ecologia das Alterações Globais (lecionado em inglês)
objetivos

É crescente o interesse pelo conhecimento sobre a diversidade Biológica nos seus diferentes níveis de organização e a necessidade de compreensão dos impactos das alterações globais nos serviços dos ecossistemas. O presente programa doutoral visa assim oferecer formação avançada, orientada para a investigação, em diversas áreas da Biologia, em particular na discilplina de Ecologia no âmbito das alterações globais e do impacto destas sobre a Saúde, sem descurar o desenvolvimento de competências comunicacionais e na área da formação do próprio emprego ou da transferência de tecnologia e/ou de conhecimento.

O Programa Doutoral em Biologia e Ecologia das Alterações Globais (BEAG) é um doutoramento em cotutela, entre a Universidade de Aveiro (UA) e a Universidade de Lisboa. O BEAG tem uma duração de 4 anos, correspondentes a um total de 240 ECTS. Está organizado em duas fases distintas, uma primeira curricular e uma segunda dedicada ao desenvolvimento do trabalho de investigação, preparação de publicações e produção da tese de doutoramento. O primeiro ano compreende uma componente curricular (60 ECTS) estruturada em módulos de cursos e seminários de formação avançada, em diversas áreas temáticas do domínio científico da Biologia, prática tutorial, opção em qualquer área científica e o início da componente de tese (10 ects). Os alunos poderão ser dispensados da frequência de uma ou mais componentes do 1º ano curricular, de acordo com o regulamento de Estudos de Terceiro Ciclo, da UA e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL). Segue-se um segundo ano com uma componente tutorial menor que a do 1º ano (10 ECTS) e uma de investigação conducente à apresentação de uma tese (50 ECTS), que se prolonga pelos 3º e 4º anos, com um peso de 60 ECTS em cada ano; deste modo, a tese corresponde a 3 anos de trabalho de investigação a tempo integral (180 ECTS, distribuídos pelos 4 anos do programa – 10 ects de preparação do tema de tese, no 1º ano; 50 ects no 2º ano; 60 ects no terceiro ano; 50 ects no 4º ano mais 10 ects de apresentação da tese, também no 4º ano). A tese deve versar sobre investigação original num campo à escolha do aluno, dentro de uma das cinco áreas de especialidade do BEAG: (1) Biologia e Ecologia Tropical; (2) Biologia e Ecologia Marinha; (3) Ecologia e Biodiversidade Funcional; (4) Biologia do Genoma e Evolução (5) Biologia Ambiental e Saúde.

A organização flexível da componente curricular em módulos de Cursos Avançados permite o reconhecimento de competências e conhecimentos obtidos em cursos / formação obtida noutras Universidades/Centros de Investigação ou de Pesquisa, nacionais ou internacionais, desde que essa formação seja reconhecida pela Comissão Coordenadora do Programa Doutoral. A existência de uma Opção Livre permite que o Doutorando obtenha formação em qualquer disciplina / área científica, à sua escolha; esta formação pode, se o doutorando assim optar, ser obtida numa sub-área de especialização da Biologia, seja ou não aquela em que o doutorando efetua o seu trabalho de tese.

Os objetivos gerais do Programa de Doutoramento são:

  • A compreensão geral das principais disciplinas da Biologia, da Ecologia em particular, e a capacidade para reconhecer as suas interações.
  • O estudo do impacto das alterações globais nos sistemas vivos, numa perspetiva ecossistémica., de acordo com os atuais modelos de previsão.
  • O enquadramento da investigação científica no contexto dos compromissos e objetivos das organizações internacionais, europeias e nacionais, em matéria de alterações globais.
  • O treino de alta qualidade num ambiente de investigação exigente mas apoiado, contando com a participação de cientistas de nível internacional.
  • A formação em métodos e técnicas avançados de análise e investigação aplica­das no campo e no laboratório.
  • O desenvolvimento das capacidades de procurar e interpretar informação cientí­fica complexa.
  • O desenvolvimento da aptidão para realizar investigação original e capaz de satisfazer o processo de revisão por pares
  • O desenvolvimento da capacidade de concetualizar, desenhar, implementar e gerir investigação científica.
  • O desenvolvimento da capacidade para interagir com equipas de investigação interdisciplinares na identificação e formulação de problemas científicos relevantes.
  • O desenvolvimento da capacidade de encontrar financiamentos para a realiza­ção de investigação científica de ponta.
  • O desenvolvimento da capacidade de apresentar ideias e resultados científicos a audiências especializadas e não especializadas.
  • A aquisição de competências na área do empreendedorismo e do autoemprego.

 

Conforme já mencionadao, o Programa Doutoral em Biologia e Ecologia das Alterações Globais tem uma duração de 4 anos, correspondentes a um total de 240 ECTS. Em face do currículo do aluno e da sua formação prévia, nomeadamente ao nível de 2º ciclo, a Comissão Científica pode, mediante equivalência, dispensá-lo da frequência de um máximo de 30 ECTS.

O primeiro ano compreende uma componente curricular (60 ECTS) estruturada em módulos de cursos e seminários de formação avançada, de tipo modular, em diversas áreas temáticas do domínio científico da Biologia, prática tutorial, uma opção em qualquer área científica e o início da componente de tese.

Nas disciplinas de Cursos e Seminários Avançados (2 * 12 ects) os alunos assistirão a cursos, palestras e comunicações proferidas por investigadores nacionais ou estrangeiros de elevada reputação, facto que é já prática corrente nos Centros e Institutos de investigação que participam no BEAG. Cada aluno terá, obrigatoriamente, de apresentar uma palestra, relacionada com um ou vários dos tópicos abordados contribuindo, assim, para o desenvolvimento da sua capacidade de comunicação e discussão de questões científicas de forma oral.

A disciplina de Seminário de Preparação de Tese (10 ects) permite aos alunos a utilização dos seus conhecimentos de uma forma integrada. Nesta disciplina o aluno deverá apresentar uma revisão bibliográfica atualizada sobre o tema em que pretende trabalhar, juntamente com um projeto de tese. Sempre que se justifique, o aluno poderá ter de realizar trabalhos práticos, de índole laboratorial ou trabalho de campo, no sentido de aferir a exequibilidade do tema proposto, tanto a nível científico como a nível logístico.

A disciplina de Prática Tutorial segue o exemplo das melhores escolas internacionais onde os doutorandos são desafiados a verbalizar e transmitir os seus conhecimentos através da participação no treino e formação de alunos de 1º e 2º ciclos, integrando o ensino formal, de caráter laboratorial, de campo ou teórico-prático. A participação dos alunos do programa doutoral no ensino formal de 1º e 2º ciclo é uma componente crucial da sua formação, contribuindo para a consolidação de um pensamento estruturado sobre a temática do programa doutoral. Esta disciplina, de caráter obrigatório, decorrerá durante os 3 primeiros semestres do Programa Doutoral, pelo que todos os alunos participarão na lecionação de um mínimo de 3 disciplinas semestrais, de preferência dentro das suas áreas de competência.

Segue-se um segundo ano com uma componente tutorial menor que a do 1º ano e uma de investigação conducente à apresentação de uma tese (50 ECTS), que se prolonga pelos 3º e 4º anos, com um peso de 60 ECTS no 3º ano e de 50 ects no 4º ano. No 1º semestre do 4º ano os alunos frequentarão a disciplina de Seminário de Tese (10 ects), onde farão uma apresentação oral, pública, sobre o seu projeto de investigação e resultados alcançados, mimetizando o que farão na apresentação do seu trabalho aquando da defesa e discussão da sua dissertação. Deste modo, o o aluno realizará trabalho de investigação supervisionado conducente à submissão da tese de doutoramento, correspondente a três anos de trabalho em tempo integral, isto é, a 180 ECTS, com 4800 horas de trabalho

A tese deve versar sobre investigação original numa das cinco áreas de especialidade oferecidas no âmbito do BEAG: (1) Biologia e Ecologia Tropical; (2) Biologia e Ecologia Marinha; (3) Ecologia e Biodiversidade Funcional; (4) Biologia do Genoma e Evolução (5) Biologia Ambiental e Saúde. 

 

observações
em associação com a Universidade de Lisboa, e com a participação das Universidades Federal do Tocantins e da Universidade de Brasília (Brasil)
a informação disponibilizada nesta página não dispensa consulta à página de acesso ao ensino superior
Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização.saber mais
Para que esta página funcione corretamente deve ativar a execução de Javascript. Se tal não for possível, algumas funcionalidades poderão estar limitadas.