40 anos do departamento de biologia
 

livros

Para ir para uma das coleções específicas, clique na designação...

Coleção Biologicando
Coleção Biologicando [série especial PPEMBA, UNILÚRIO]
Outros


Coleção Biologicando


Biologicando é um convite à divulgação, à leitura e à partilha dos conhecimentos da Biologia, dirigido a todos os que se sintam fascinados pelos porquês, os comos e os para quês desta Ciência. Resultado de uma parceria entre as Edições Afrontamento e a Universidade de Aveiro, através do seu Departamento de Biologia, esta é uma coleção aberta à colaboração de todos os que queiram divulgar a Biologia e as Ciências da Vida ou as variadíssimas interações entre as Ciências Biológicas e os restantes grandes ramos da Ciência.

Amadeu Soares,
professor catedrático,
Departamento de Biologia, UA


frente
verso

Preço: 12,12€ (c/ IVA)
Preço DBio: 10,00€
  1.
Atlas das Aves nidificantes do Campus da Universidade de Aveiro

Esta primeira obra da colecção Biologicando, Atlas das Aves nidificantes do Campus da Universidade de Aveiro, foi a tese de licenciatura de Milena Barros, enquanto aluna de Biologia na Universidade de Aveiro. O Campus desta universidade é já internacionalmente reconhecido pelo seu mérito arquitectónico e este Atlas permite-nos descobrir que é também um Campus natural. Dá-nos a conhecer não só alguma da sua diversidade biológica, como também nos faz um enquadramento histórico e ambiental da região em que se insere e uma breve resenha histórica da Universidade de Aveiro. Dirige-se, portanto, a um público vasto e não só aos que gostam de Biologia e Ornitologia.
     

frente
verso

Preço: 12,12€ (c/ IVA)
Preço DBio: 5,00€
  2.
Biologias na noite

De uma conversa informal num bar universitário até ao (desas)sossego de uma noite de Primavera surgiu, em 2002, o projecto «Biologia na noite», em Aveiro. Ao longo de cinco anos passou por Aveiro um valioso leque de oradores, cuja qualidade foi correspondida por uma extraordinária adesão do público. Este Biologia na noite reflecte parte do que se passou e foi apresentado nas primeiras cinco edições do ciclo de conferências «Biologia na Noite».
Prefaciado por Rosália Vargas, Directora da Agência Ciência Viva, Biologias na noite conta com a colaboração do biólogo e escritor moçambicano Mia Couto, que nos falou sobre “Rios, Cobras e Camisas de Dormir”. Carlos Almaça, António Amorim e Vítor Madeira trazem-nos três visões distintas dos terrenos da Evolução. A sempre apaixonante aventura da reprodução é-nos apresentada por João Ramalho Santos, em termos de Biologia Fundamental do processo reprodutivo em si, e por Mário Sousa e colaboradores, que nos facultam um autêntico manual para um casal infértil. José Alho, Jorge Paiva e o moçambicano Jorge Ferrão falam-nos sobre Ecologia, Conservação e Biodiversidade. António Correia revela-nos uma interessante perspectiva de como o conhecimento gerado nos laboratórios de microbiologia, e validado pela publicação em revistas de outra índole e com outros objectivos. O físico Carlos Fiolhais desvenda-nos um pouco do futuro, falando-nos sobre nanotecnologia e interacções entre a Física e a Biologia. Por fim, Pato de Carvalho dá-nos a sua visão pessoal sobre os ensinamentos da Biologia.
     

frente
verso

Preço: 19,19€ (c/ IVA)
Preço DBio: 15,00€
  3.
Mergulho e fauna subaquática das Ilhas Berlengas

Actualmente as actividades de mergulho são encaradas sobretudo como desporto, tendo o número de adeptos aumentado nas últimas décadas. No entanto, o mergulho foi, durante anos, considerado um assunto do interesse científico, médico e recreativo. Em Portugal, os melhores locais de mergulho estão perfeitamente identificados. As ilhas dos Açores, Madeira e Berlengas e a zona de Sesimbra são muito procuradas pela boa água, pelo interesse da sua fauna e pelas condições excelentes para mergulho em apneia, caça submarina, fotografia subaquática, mergulho técnico e actividades de formação e pesquisa arqueológica.
As Ilhas Berlengas, arquipélago classificado como reserva desde 1981, são, sob o ponto de vista científico, uma referência como limite norte de distribuição de organismos típicos do Mediterrâneo, conservando várias plantas e répteis endémicos. Nos seus fundos marinhos encontram-se regularmente vestígios romanos e destroços de navios de várias épocas. Grutas, baías abrigadas, cabos com correntes consideráveis, falésias altas e formações rochosas submersas são alguns dos acidentes topográficos que enriquecem o cenário.
Este livro fornece um conjunto de fotos e informações de conteúdo biológico e ecológico, indicando alguns locais privilegiados e respectivos perfis de mergulho.
     

frente
verso

Preço: esgotado
Preço DBio: esgotado
  4.
Biodiversidade e Carbono Social

Maias, Quilombos, povos indígenas, tantos outros.
Desenvolvimento sustentável, biodiversidade, alterações globais, sequestro de carbono, carbono social. Tópicos aparentemente sem qualquer relação mas que merecem uma abordagem holística. Biodiversidade e Carbono Social, uma ligeira modificação de uma tese de doutoramento em Biologia, apresentada e defendida, em 2009, na Universidade de Aveiro, vem preencher, parcialmente, uma lacuna e urna necessidade. Segundo os autores, Carbono Social é o carbono absorvido/reduzido através de acções que viabilizem e melhorem as condições de vida das comunidades envolvidas nos projectos de redução de emissões/mudanças climáticas, visando a salvaguarda do bem estar e da cidadania, sem degradar a base dos recursos naturais, entre os quais a biodiversidade. Este conceito foi desenvolvido durante a experiência na implantação do primeiro projecto de sequestro de carbono do Brasil, o Projecto de Sequestro de Carbono da Ilha do Bananal e do seu entorno, em articulação com as comunidades indígenas. Hoje em dia, o conceito de Carbono Social é utilizado como um standard do mercado voluntário em projectos de diferentes âmbitos, como a troca de combustíveis, a energia renovável, os aterros sanitários, entre outros. Ao longo desta obra, o leitor verá como o conceito do Carbono Social foi desenvolvido directamente com as comunidades na análise de seus problemas, numa autêntica interacção Homem-Ambiente, proporcionando alternativas concretas associadas a projectos que envolvam o desenvolvimento sustentável e as mudanças climáticas, e como este conceito mantém ou aumenta as capacidades e os benefícios dessas comunidades, sem degradar a base de recursos sociais e ambientais. São-nos apresentados exemplos reais de estudos de caso, naturalmente focalizados no Brasil mas que não deixam, por isso, de constituir exemplos cuja aplicação se pode generalizar.
     

frente
verso

Preço: 16,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 10,00€
  5.
Árvores e arbustos das ruas de Díli

A preservação e desenvolvimento sustentado da biodiversidade é um assunto para o qual todos nós ternos que estar cada vez mais atentos. Esta obra, que atrai a nossa atenção para as árvores e arbustos das ruas de Díli, pretende ser um contributo dos autores para a divulgação, junto do público em geral, da importância das árvores e arbustos dos agregados populacionais, não só na unificação da paisagem rural com a paisagem urbana, mas também no despertar de um olhar mais atento sobre a diversidade do arboreto e suas aplicações. Este livro resultou da investigação desenvolvida em território timorense, no âmbito do projecto «Contribuição para a gestão dos recursos florísticos de Timor--Leste», de cuja equipa de investigação os autores desta obra fizeram parte e que foi financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) e pela Fundação Oriente.
Aspectos tais como o nome científico, nomes vulgares (em português, inglês e nos vários dialectos timorenses), descrição botânica detalhada, origem e distribuição geográfica e as diversas aplicações medicinais e outras, são abordados para as 59 espécies ou subespécies listadas. Incluem-se também fotografias, ilustrando o aspecto geral e características particulares, nomeadamente pormenores das folhas, flores e frutos de cada espécie, corno auxílio para a identificação e interpretação das descrições apresentadas. O arboreto descrito nesta publicação corresponde à grande maioria das árvores e arbustos que se podem observar nas artérias e jardins públicos de Díli, mas é provável que algumas tenham escapado à nossa atenção. No entanto, esperamos ter contribuído para um conhecimento mais aprofundado da sua fitodiversidade, chamando a atenção para a riqueza desse património natural, permitindo à população local e aos visitantes usufruir mais dos benefícios que as árvores e zonas verdes propiciam.
     

frente
verso

Preço: 18,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 12,00€
  6.
O eSsencial em... Sinalização Celular

Pretende ser um livro de texto de referência para estudantes pré-graduados que contém a base da sinalização celular. Começa com os fundamentos da sinalização celular, apresentando a rede conceptual da sinalização, com os vários intervenientes divididos em diferentes capítulos — mensageiros primários, recetores, mensageiros secundários. Os restantes capítulos estão relacionados com vias de sinalização mais complexas e com a importância de domínios proteicos para a sinalização celular. Por fim, é abordado o resultado da desregulação de vias de sinalização e são discutidas terapias baseadas em vias de sinalização.
  • Livro de leitura simples e muito agradável, mas ao mesmo tempo com um conteúdo muito completo e atual, fundamental para muitas áreas da biomedicina.
  • Figuras muito interessantes ajudam na compreensão do texto.
  • Referências adequadas ligam o texto à literatura científica.
     

frente
verso

Preço: 8,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 6,00€
  7.
Guia das Aves das Dunas de S. Jacinto

A necessidade de divulgação dos valores naturais do nosso país é consensual e esta publicação vem contribuir para colmatar a falta de manuais nesta área. Nos últimos 15 anos houve um incremento notável nas actividades relacionadas com o turismo de natureza e, em particular, com a observação de aves. De facto, esta última actividade é hoje praticada por milhões de pessoas em todo o mundo, com destaque para os países da Europa Ocidental e da América do Norte. É igualmente geradora de riqueza, tendo um grande impacto em muitas economias locais, regionais e nacionais.
     

frente
verso

Preço: 19,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 15,00€
  8.
Atlas do Zooplâncton marinho e estuarino da Costa Atântica

Há cerca de três décadas que os autores deste atlas se dedicam ao estudo do plâncton marinho e estuarino. Embora as abordagens temáticas tenham sido diversificadas, com significativas mudanças e evoluções científicas e tecnológicas, a identificação taxonómica e os guias de identificação continuam a ser áreas de impulso para todos os projetos biológicos e oceanográficos, especialmente aqueles que lidam com estudos de base relativos à ecologia, biologia e poluição marinha. Profissionais e estudantes de pós-graduação procuram constantemente informação sobre a identificação taxonómica que normalmente se encontra distribuída por vários livros e revistas. Este guia constitui uma oportunidade de fornecer informações relativas à classificação taxonómica e descrição dos organismos planctónicos marinhos e estuarinos da costa atlântica. Todas as figuras são suportadas por descrições de identificação pormenorizadas, assim como fornecidos detalhes de identificação e descrição taxonómica das espécies, assumindo uma importância fundamental para o desenvolvimento de uma grande variedade de estudos científicos. Esperamos que este guia de identificação e descrição de grupos e espécies do zooplâncton seja útil para investigadores, professores e planctonologistas.
     

frente
verso

Preço: 20,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 15,00€
  9.
Atlas dos pelos dos mamíferos terrestres ibéricos

«Elaborado com enorme rigor científico e devidamente ilustrado, este Atlas vem complementar os clássicos Hairofwest European mammals de Teerink (1991) e SEM-Atlas on the haircuticle structure of central European mammals de Meyer, Hulman & Seger (2002), tantas vezes utilizados pelos mamólogos ibéricos e europeus.
Esperemos assim que a utilidade desta obra ultrapasse a Península Ibérica e que a mesma se torne uma referência internacional nesta temática tão interessante e apaixonante que é o estudo dos Mamíferos».

Carlos Fonseca
Departamento de Biologia e CESAM
Universidade de Aveiro

     

frente
verso

Preço: 18,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 15,00€
  10.
Sexo, drogas e cérebro

Sexo, drogas e cérebro
é um livro de texto de referência para estudantes pré e pós-graduados. Aborda as funções cerebrais que se relacionam com o comportamento sexual, com a motivação, a recompensa e com o vício. Começa com a organização básica do sistema nervoso de modo a que se compreendam os capítulos subsequentes.
Este livro é de leitura simples e agradável, mas ao mesmo tempo tem conteúdos muito completos e atuais. As figuras auxiliam a compreensão do texto e as referências adequadas ligam o texto à literatura científica.
     

frente
verso

Preço: 22,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 15,00€
  11.
Sesimbra, por fora e por dentro

O concelho de Sesimbra, em plena Serra da Arrábida, surpreende pelas suas amistosas gentes e diversificado litoral, onde os desenvolvimentos társicos são modelados pelo Atlântico, que neles abre cavidades e cria magníficas e muito desejadas praias de areia alva - algumas pequenas e de acesso algo condicionado (nas várias enseadas que pontuam esta costa), outras de considerável e convidativa extensão. Não é já novidade para ninguém a qualidade destes bens sesimbrenses, que chamam ao descanso e contemplação, enquanto o melhor peixe do mundo pescado nestas águas delicia o mais exigente paladar, pelo delicado sabor natural assente numa insuperável frescura.

O que é de admirar é um rico e, por vezes, inusitado património cultural e, principalmente, aquele outro com que a Natureza nos brinda. Afortunado concelho, aqui se expõem verdadeiros tesouros de vida presente, exaltados pela biodiversidade contemporânea que se exibe em cada um dos seus recantos (seja no contexto marinho ou no terrestre), mas também naquela outra já extinta (através dos abundantes fósseis marinhos e nas pegadas de dinossauros, que deixam antever as múltiplas e exuberantes comunidades de seres vivos que aqui passaram outrora). É com alguma admiração inicial que se percebe que a rica geodiversidade aqui patente é aquela que potencia ainda mais a identidade, já por si muito própria, destas terras.

De facto, a natureza litológica sedimentar conduziu a um fino rendilhar do seu interior, logo abaixo da sua superfície, abrindo assim portas para uma outra realidade e um outro mundo — que o Homem tem vindo a explorar e desvendar, recorrendo às ferramentas que a ciência coloca ao seu dispor. É no seio das suas profundezas que caprichosas formas da natureza cristalina albergam um dos mais delicados, sensíveis e desconhecidos ecossistemas à face do nosso planeta. Um domínio onde impera uma escuridão serena e perene, e onde a estabilidade ambiental favoreceu a evolução, ao longo de milhões de anos, para novas e exclusivas formas de vida. Desenganem-se, pois, aqueles que acreditam que debaixo de terra a Vida acabou...

O património espeleológico deslumbra por todo este novo e fascinante mundo, sob os nossos pés e quase todo por explorar, e exerce assim uma vertiginosa atração sobre o Homem, esse ser dotado da infinita curiosidade e de uma ávida vontade de mais saber, que se lhe reconhece. Povoadas por inúmeras lendas e mitos, as grutas são redomas temporais que conservam importantes registos para a construção da nossa identidade enquanto seres humanos (pois aqui se abrigaram nos princípios da humanidade e aqui nos deixaram vestígios pré-históricos para memória futura da sua presença), e albergam estranhas formas de vida que permitem reinterpretar a história da vida na terra e das reais fronteiras até onde a vida se estende. Esta obra tem como missão levantar um pouco do véu e trazer alguma luz — a do conhecimento – sobre esta outra obscura e desconhecida dimensão sesimbrense. Dotou-se assim de iniciático poder para desvendar esses outros mistérios ao nos transportar através de uma viagem pelo tempo (o que corre à superfície, mais célere, e aquele outro, mais parcimonioso, que impera nas profundezas s e pelas formas (de vida e dos espeleotemas). Sesimbra mostra-se assim mais completa e atesta, confiantemente, que é bem mais do que aquilo que já se conhece e aparenta —seja por fora, seja por dentro...
     


Coleção Biologicando [série especial PPEMBA, UNILÚRIO]


frente
verso

Preço: 13,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 10,00€
  1.
Anfíbios e Répteis de Pemba
Amphibians and Reptiles of Pemba

Este guia de identificação foi elaborado para ajudar a distinguir os anfíbios e répteis que ocorrem naturalmente em Pemba. Normalmente neste tipo de livros incluem-se descrições das espécies, acompanhadas de uma imagem, seja esta uma fotografia ou ilustração científica. Em função dos objetivos e dos destinatários, a complexidade da sua estrutura é muito variável, podendo às vezes incluir chaves de identificação e mapas de distribuição das espécies. Contudo, nos guias de identificação destinados a públicos mais vastos a estruturação elege a identificação visual para permitir uma consulta simples e uma busca fácil. A definição de organização pode seguir diversos critérios - umas vezes é usado o filogenético, sendo os organismos agrupados por ordem, classes e família, mas outras vezes pela cor, forma, localização e outros descritores. De forma a elaborar um guia de consulta simples e prático, dirigido para todos os públicos, mesmo os que não são especialistas, e facilitar a consulta das espécies, neste guia privilegiou-se ordenar as diferentes espécies por ordem alfabética, em vez da habitual organização por famílias.

This identification guide is designed to help us to identify the amphibians and reptiles occurring naturally in Pemba. Normally this type of books include species descriptions, accompanied by an image, whether a photograph or scientific illustration. Depending on the objectives and the target audience the structure complexity is very variable and may sometimes include identification keys and maps of species distribution. However, the identification guides for wider audiences prefer the visual identification to enable a simple and easy search query. The definition of organization can use several criteria, often is used phylogenetic, the organisms being grouped per order, class and family, but sometimes by color, shape, location, and other descriptors. In order to develop a simple and practical guide query directed to all audiences, even those who are not experts, and facilitate the consultation of the species, this guide decided to order the different species alphabetically instead of being organized by families, as is usually done.
     

frente
verso

Preço: 28,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 20,00€
  2.
Peixes dos Recifes de Coral da Baía de Pemba
Fish of the Coral Reefs of Pemba Bay

Os recifes de corais são um dos ecossistemas com maior biodiversidade no mundo. Constituem unicamente 0,2% da área dos oceanos, no entanto providenciam habitat para um terço de todas as espécies marinhas. A sua importância não se resume a ter muitos e diversos animais; são também responsáveis pelo sustento de uma pescaria muito importante. Um quarto da produção mundial de peixe, nos países em vias de desenvolvimento, é feito nos corais. Só no leste asiático mais de um bilião de pessoas tem como fonte principal de proteínas os peixes de coral. Contudo não é só a pesca a única utilidade do recife de coral. O Tsunami de 2005 veio confirmar que as zonas da costa com mais e melhor conservado coral têm a melhor proteção contra tempestades. Também ajudam a prevenir inundações, e a tão preocupante erosão costeira. Para além destes benefícios indiretos, os corais são locais de atração turística. Milhares de pessoas no mundo inteiro deslocam-se para vir mergulhar e pescar nos recifes de corais levando ao desenvolvimento do turismo. Em áreas remotas como as Ilhas Maldivas, a maior fonte de rendimento do país é o turismo. O turismo e atividades relacionadas representavam, em 2002, 70% da atividade económica do país. Vamos por isso aproveitar com cuidado e sustentavelmente os nossos corais: são um mundo de cores mas também de oportunidades. E não se esqueça de mergulhar nos recifes de coral! Moçambique dispõe de alguns dos mais bonitos do mundo no arquipélago das Quirimbas, no Bazaruto, no desconhecido arquipélago das Primeiras e Segundas, ou noutros recifes ainda por descobrir, o importante é aproveitar esta riqueza incalculável: mergulhe noutro mundo!

Coral reefs are one of the ecosystems with the highest biodiversity in the world. They occupy only 0,2 % of the ocean area and even though they provide the habitat for one third of all the marine species. Its importance is not only about having many and diverse animals, they are also the support of a very important fishery: a quarter of the world's fish production in developing countries is made in corals. Only in East Asia, there are more than a billion people whose maAthe better preserved coral reefs are the better protection they provide. They also help prevent flooding and the dreadful coastal erosion. Further to these indirect benefits coral are a point to tourist attraction. Thousands of people all over the world travel long miles to dive and fish in coral reefs, causing an important tourism increase. In remote areas such as the Maldives, the largest source of income for the country is tourism. Tourism and related activities accounted, in 2002, 70% of economic activity in the country. So very carefully and sustainably enjoy our corals: they are a world of colors but also of opportunities. And do not forget to dive in the coral reefs! Mozambique has some of the nicest ones in the world in the Quirimbas Archipelago, Bazaruto Archipelago and in the unknown Archipelago of Primeiras e Segundas, and many others yet to discover. Wherever they are the important is to enjoy this invaluable wealth: immerse yourself in another world!
     

frente
verso

Preço: 14,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 10,00€
  3.
Árvores e arbustos de Mangue da Baía de Pemba-Mecufi
Mangrove trees and shrub from Pemba-Mecufi Bay

Árvores de mangue e arbustos de mangue são comumente encontradas ao longo das costas abrigadas em regiões tropicais e subtropicais, onde desempenham funções socioeconómicas e ambientais importantes. São comuns em lodaçais e margens de rios e zonas costeiras tropicais e subtropicais, em muitas partes do mundo. Têm sido descritos mangais em 123 países, o que supõe uma área aproximada de 152 mil quilómetros quadrados. Os manguezais desenvolveram uma variedade de estratégias reprodutivas e de sobrevivência para lidar com o seu ambiente tão variável em termos de sedimentos e de salinidade. Estes ecossistemas desempenham funções muito importantes de protecção costeira contra os efeitos do vento, ondas e correntes de água, e ainda na conservação da diversidade biológica e na protecção dos recifes de coral e bancos de ervas marinhas. Também são habitats, áreas de desova e nutrientes para uma grande variedade de peixes, crustáceos e moluscos, incluindo muitas espécies comerciais. Os manguezais também podem desempenhar um papel importante no funcionamento de ecossistemas adjacentes, incluindo as zonas húmidas terrestres, pantanais, sargaços e recifes de coral, contribuindo para a redução das emissões de carbono e do efeito estufa, com impactos nas alterações globais. Para além de todos estes aspectos, também são áreas que permitem o desenvolvimento de atividades de educação ambiental e recreação. Apesar dos manguezais serem reconhecidos como ecossistemas de grande utilidade e que produzem muitos benefícios para as populações, são, no entanto, tradicionalmente subestimados e vistos como terrenos baldios e de ambiente insalubre. Estes constrangimentos constituem fortes ameaças às florestas de mangue e são reforçados, em Moçambique, pelo facto de a maioria da população moçambicana necessitar de ter acesso direto aos recursos naturais para a sua alimentação.

Mangrove trees and mangrove bushes are commonly found sheltered along the coasts in tropical and subtropical regions, where they play an important socio-economic and environmental role. They are commonly found in swamps and riverbanks of tropical and subtropical coastal areas in many parts of the world. There have been described mangroves in 123 countries, meaning an area of circa 152,000 square kilometers. Mangroves have developed a variety of reproductive and survival strategies to deal with their highly variable environment in terms of sediment and salinity content. These ecosystems play very important functions such as coastal protection against the effects of wind, waves and streams of water, conservation of biological diversity, protection of coral reefs and seagrass banks and also provide habitats, spawning areas and nutrients for a great variety of fish and shellfish, including many commercial species. Mangroves may also play an important role in the functioning of adjacent ecosystems, including terrestrial wetlands, mud kinds, seagrass beds and coral reefs, contributing to the reduction of carbon emissions and greenhouse with an impact on global climate change. In addition to all these aspects, mangroves are areas that allow the development of environmental education activities and recreation. Although mangroves are recognized as very useful ecosystems that produce many benefits for the people, they are, however, traditionally overlooked and seen as unused land and unhealthy environment. These limitations are strong threats to mangrove forests and are reinforced by the fact that Mozambique is a country where most of the population needs to have direct access to natural resources for their food.
     

frente
verso

Preço: 19,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 15,00€
  4.
Artes de pesca artesanal de interesse comercial da Baía de Pemba

Dada a antiguidade deste sector em Moçambique, a pesca e as artes artesanais são actividades que assumem um elevado relevo e contributo para a divulgação da enorme variedade de artes tradicionais da região de Cabo Delgado. Os diversos grupos culturais da região de Pemba conciliam informações e saberes acumulados pelos antepassados e transmitidos pelos mecanismos culturais. A nomenclatura popular dada aos peixes em diversas línguas regionais reflecte a multiculturalidade desta região e as diferentes raízes culturais das comunidades de Pemba, demonstrando a interculturalidade dos pescadores que comercializam os seus produtos nesta região de Moçambique. As actividades artesanais têm, além disso, uma grande importância na economia de subsistência de várias comunidades desta região, pelo que uma análise transversal pode servir de base para o estabelecimento da sustentabilidade das actividades pesqueiras. O conhecimento e preservação dos usos tradicionais de pequena escala, a economia de mercado local e a exploração dos recursos biológicos orientada constituem um meio de manter ambos os valores do património natural e cultural, particularmente em países em desenvolvimento. O estudo dos peixes de interesse comercial da baía de Pemba, nos domínios científico e cultural, permitirá conhecer a comunidade ictiológica e contribuir para o ordenamento e gestão adequados destes recursos. A abordagem das artes de pesca artesanais e da fauna piscícola de interesse comercial de Pemba não pretendeu fornecer uma análise exaustiva das espécies. No entanto, são descritas, e complementadas com fotografias ilustrativas, as artes de pesca artesanais e os métodos e estratégias de amostragem utilizados. Este livro constitui, assim o desejamos, uma referência importante para a avaliação da biodiversidade piscícola desta região de Moçambique com relevo a nível nacional, e espera contribuir para a valorização e conservação dos recursos biológicos e culturais da Baía de Pemba através do fornecimento de elementos de ligação entre as diversas componentes, num enquadramento económico e social das actividades de pesca.
     

frente
verso

Preço: 28,00€ (c/ IVA)
Preço DBio: 20,00€
  5.
Temáticas e métodos avançados para o ensino e investigação em biologia

Um dos aspetos fundamentais na atualidade para a melhoria da qualidade de ensino e investigação em Biologia está associado ao desenvolvimento de uma formação experimental e interdisciplinar do ensino das Ciências Naturais. Neste pressuposto, a atualização e modernização dos temas e métodos abordados surge como um imperativo de forma a atingir uma melhor lecionação das questões de caráter biológico, ecológico e ambientais fornecidas na formação universitária dos alunos nas diversas disciplinas curriculares. Por outro lado, a conjugação adequada de formação científica, teórica e prática dos diversos domínios da biologia afigura-se crucial para o estudo da descoberta da diversidade natural e funcionamento dos ecossistemas, tais como acerca de metodologias de recolha e identificação de fauna e Hora, métodos avançados de ensino e investigação (genética molecular, histologia e histoquímica, ecotoxicologia), tratamento de dados, pesquisa laboratorial e metodologias de divulgação da Ciência. Essencialmente pretende-se incentivar a aprendizagem e aplicação de metodologias científicas avançadas para a pesquisa, recolha e tratamento de dados científicos em Biologia que possibilitem o estudo dos ecossistemas através de conceitos e de técnicas metodológicas atualizadas.
     


Outros


audiolivro - inclui um CD
  o peixe que perdeu a cabeça

A história que vais ouvir é muito, muito antiga e, na realidade, ninguém sabe ao certo se é verdadeira ou falsa. Desde há muito tempo que é contada por capitães e pescadores a bordo dos barcos de pesca de bacalhau. Cada um que a ouviu acrescenta sempre alguma coisa à versão que lhe foi contada e, assim, a história vai crescendo.
Uma coisa é certa: falam sempre de um bacalhau diferente de todos os outros, conhecido nos sete mares por John Oliveira da Silva Bacalhau!
     

audiolivro - inclui um CD
  Os talheres mágicos do Titanic

"
(...)
Os talheres mágicos, salvados do Titanic, também a mim me encantaram e seduziram toda a vida. Existem nesta casa, desde que me lembra, seis colheres sóbrias e pesadas, de prata, com a estrela relevada, no cabo, logotipo da WSL, companhia a que o Titanic pertenceu. Desde sempre o meu Avô me contou a história deles, repetida mais tarde pela minha Avó, após a sua partida.
O Titanic, paquete colossal e luxuoso, naufragara contra um malvado e gélido iceberg, na sua viagem inaugural, quando saiu de Southampton (Reino Unido) em direcção a Nova Iorque, na madrugada do fatídico dia 14 de Abril de 1912.
Por essa altura, costumavam os veleiros portugueses da pesca do bacalhau partir dos diversos portos que os apetrechavam, em direcção aos Grandes Bancos, de onde voltavam por meados de Setembro a Novembro. Ora, consta que, em Ílhavo, algumas famílias possuem talheres provenientes do Titanic, mas todos com a mesma origem. E o que nos dizia a tradição?
(...)
"

A verdadeira história dos talheres mágicos
Ílhavo, 30 de Novembro de 2013
Ana Maria Lopes

     
  o português que se correspondeu com Darwin

«O teatro é uma bela maneira de fazer cultura científica, uma bela maneira de, através da arte, levar a ciência - neste caso. a história da ciência - ao grande público. mostrando quais são e como são os seus processos e caminhos. Se Darwin é hoje um nome bem divulgado, Francisco de Arruda Furtado não será ainda suficientemente conhecido dos portugueses. Ele, que foi uma excepção à regra do atraso científico, merece sê-lo, em particular dos jovens interessados pela ciência. Tal como ele, embora longe da ciência, quem for suficientemente curioso. esteja onde estiver, poderá aproximar-se dela, pois tem-na ao seu alcance. Como a peça sugere, basta ser curioso. E pode até haver urn sábio contemporâneo que lhe responda…»

Carlos Fiolhais in «Prefácio»
Prof. Catedrático de Física da Universidade de Coimbra e Director da Biblioteca Geral dessa Universidade


Esta obra, em forma de peça de teatro - que se quer lida e se exige representada em palco -, em boa hora escrita por um divulgador de ciência, não por acaso geólogo e Doutor em Paleobiologia, coloca a cultura científica no palco, o que só pode ser positivo. Através dela podemos ver quem foi Charles-Darwin. Geólogo? Biólogo? E também ter uma ideia sobre o impacto que as ideias de Darwin tiveram no Portugal do século XIX. Na comunidade científica de então, produziu-se uma tese de doutoramento pelo ilustre biólogo e botânico Júlio Henriques, por muitos e longos anos voz científica quase única, o que, convenhamos, é muito fraco pecúlio para tanto potencial argumentativo, para tal revolução estruturante do pensamento biológico e, porque não, filosófico. No entanto, anos antes e num contexto informal, houve um português, amanuense de profissão, curioso, observador e estudioso atento de coisas da Natureza, de seu nome Francisco de Arruda Furtado, que se correspondeu com Darwin. Pelo que sabemos dos escritos de Darwin, cuja correspondência com Arruda Furtado é aqui traduzida e apresentada, foi o único português a quem escreveu. Sabendo-se que Darwin fazia questão de sempre responder a cada carta que recebia, esta pode ser rima medida do acolhimento das ideias de Darwin no Portugal do séc. XIX.

Amadeu Soares
Prof. Catedrático, Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro

     

frente
verso
  Macroalgas marinhas da costa portuguesa

As macroalgas marinhas habitam os oceanos há mais de 2 mil milhões de anos, mas só muito recentemente o Homem começou a compreender o seu enorme potencial, enquanto recurso natural — sabia que, só em 2012 e em todo o mundo, foram colhidos mais de 20 milhões de toneladas de algas?
Sabia que as macroalgas podem ser utilizadas como fonte nutricional, diretamente na alimentação (em saborosas receitas gastronómicas)? Ou indiretamente, através dos ficocoloides (agar, alginatos e carragenanas) que delas se extraem e que estão presentes numa variedade insuspeita de alimentos (nos queijos, nos gelados, nas gelatinas, carnes conservadas, etc.)? Sabia que muitos dos seus compostos essenciais são recorrentemente utilizados pelas industrias farmacêutica, da cosmética e a da saúde e do bem estar?
Nesta obra irá encontrar todas as espécies mais comuns da costa rochosa portuguesa, será capaz de as identificar, perceber o seu ciclo de vida e os numerosos mistérios que estas encerram em seus delicados corpos. Aprenderá ainda como dar-lhes outros usos, cedendo à gula ou então à sua beleza natural, traduzida em delicadas e variadas criações artísticas — desde a ilustração à pintura, ou à sua inclusão em sabões, resinas ou ceras.
Todo um novo e multifacetado mundo a descobrir de novo, na sua mão e numa qualquer praia rochosa de Portugal que venha a explorar.
     


Para mais informações ou aquisição de livros contactar a receção do Departamento de Biologia.


(última atualização desta página em 21/junho/2016 - 22:57h)

última atualização a 31-08-2016
Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização.saber mais
Para que esta página funcione corretamente deve ativar a execução de Javascript. Se tal não for possível, algumas funcionalidades poderão estar limitadas.