Seminário de Investigação em Multimédia em Educação (3º Ano) › 45601

código no paco
45601
área científica
Didática e Tecnologia Educativa
créditos
8
idioma(s) de lecionação
a inserir brevemente
objectivos
A Unidade Curricular (UC) de Seminário de Investigação em Multimédia em Educação (3.º ano) é uma UC anual que visa acompanhar e avaliar o processo de finalização dos projetos de investigação e redação das teses. Trata-se de uma UC que se constitui como um espaço de análise e desenvolvimento crítico, contextualizado com cada projeto de investigação; o acompanhamento é feito atendendo às finalidades, temáticas e territórios de intervenção específicos de cada projeto.
Os estudantes devem ser capazes de sistematizar, discutir, aplicar e comunicar conhecimentos conceptuais e metodológicos, de forma autónoma, relativos quer ao desenvolvimento do seu projeto de investigação e redação das suas teses, quer relativamente aos projetos/teses dos seus colegas que, com eles, participam nas sessões presenciais.


No final da UC os estudantes devem:
- Justificar as escolhas realizadas ao nível da componente teórica e metodológica do projeto de investigação.
- Comunicar o desenvolvimento e aprofundamento do projeto de investigação através da sua disseminação em seminários, encontros e publicações científicas.
- Avaliar, discutir em grupo e analisar criticamente o processo de desenvolvimento de trabalhos de investigação e o processo de redação das teses.
competências

Apresentar e concretizar propostas de resolução adequadas aos problemas, incluindo a adoção e/ou construção de instrumentos de investigação adequados, o desenvolvimento e aprofundamento da componente teórica do projeto e a sua disseminação em encontros e publicações científicos. 

conteúdos
A UC acolhe uma variedade relevante de conteúdos, em função das escolhas temáticas dos estudantes para os seus respetivos projetos de tese. Sobre cada projeto realizar-se-ão apresentações individuais em que são sintetizadas e debatidas, em grupo, as dificuldades e avanços realizados.
Para além do acompanhamento periódico dos orientadores, realizar-se-ão 6 sessões presenciais ao longo ao ano, nas quais participam todos os estudantes, que incidirão sobre os seguintes conteúdos:
- planificação do processo de redação da tese;
- preparação e construção de publicações científicas.
avaliação

A ponderação dos diferentes elementos de avaliação, recolhidos em ambiente presencial ou pela apreciação do trabalho autónomo feito pelo estudante, é a seguinte:

(50%) - classificação atribuída pelo orientador ao trabalho desenvolvido pelo orientando, em função dos seguintes parâmetros:?
- Desenvolvimento do projeto de investigação;
- Evolução na componente de redação da tese;
- Textos publicados em periódicos e atas de encontros científicos.

(50%) – classificação atribuída pela regente da UC, observando a participação e resultados obtidos nas 6 sessões presenciais, em função dos seguintes parâmetros:
- Assiduidade e Participação nas sessões presenciais;
- Qualidade das apresentações periódicas feitas;
- Qualidade dos contributos dados nas discussões em grupo.

requisitos

N/A

metodologia

As atividades da UC assentam numa metodologia que combina uma abordagem dialógica, presente no?acompanhamento que é feito pelo orientador(es) científico(s) ao(s) seu(s) estudante(s) e uma abordagem de comunicação realizada nas 6 sessões presenciais, em grupo, nas quais decorre a apresentação e discussão do desenvolvimento do trabalho por parte dos estudantes.
As 6 sessões enquadram-se na componente presencial da UC. Os objetivos específicos de cada sessão/apresentação serão comunicados via email aos estudantes no arranque de cada período semestral.

bibliografia recomendada

Albarello, L., Digneffe, F., Hiernaux, J., Maroy, C., Ruquoy, D., & Saint-Georges, P. (1997). Práticas e métodos de investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.

Arnal, J. et al, 1992, Investigación educativa: fundamentos y metodologías, Barcelona: Labor (CF-30-136).

Bardin, L., Análise de conteúdo, Lisboa: Edições 70, 1979 (trad.). Bell, J., 1991, Doing your research project: a guide for first-time researchers in education and social science, Milton Keynes: Open University Press (trad. Gradiva) (CF-30-100).

Berger, A. (2000). Media and Communication Research Methods: An Introduction to Qualitative and Quantitative Approaches. London: Sage.

Bisquerra, Rafael, 1996, Metodos de investigacion educativa: guia practica, Barcelona: CEAC.

Bogdan, Robert & Biklen, Sari, 1994, Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos, Porto: Porto Editora. (trad.) (CF-IVLE-15).

Booth, W. C. et al, 1995, The craft of research, Chicago: The University Press. (001.8G.71).

Bryman, A. (2012). Social research methods. Oxford: Oxford University Press.

Bryman, A., & Cramer, D. (1992). Análise de dados em Ciências Sociais: Introdução às técnicas utilizando o SPSS. Oeiras: Celta Editora.

Burnaford, G., Fischer, J. & Hobson, D. (eds), (1996), Teachers doing research: practical possibilities, London: Lawrence Erlbaum Associates.

Ceia, C. (1995). Normas para apresentação de trabalhos científicos. Lisboa: Editorial Presença.

Christensen, L. B. (2004). Experimental methodology. Boston: Pearson Education, Inc.

Cochran, W. G. & Cox, G. M. (1957) Experimental Designs (2nd edition), New York: John Wiley & Sons.

Cohen, L. & Manion, L., 1994, Research methods in education, London: Routledge.

Cordray, D. S. (1986) Quasi-experimental analysis: a mixture of methods and judgment. In Trochim (ed.) Advances in Quasi-Experimental Design and Analysis. New Directions for Program Evaluation, 31, San Francisco: Jossey-Bass, 9-27.

Cortes, J. (dir.) (1987) Une Introduction à la Recherche Scientifique enDidactique des Langues, Coll. Essais, Paris: CREDIF.

Coulon, Alain, Ethnométhodologie et éducation, Paris: Presses Universitaires de France. (CF-13-626).

Coutinho, C. (2011). Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas: Teoria e Prática. Coimbra: Almedina.

Cronbach, L. J. (1990) Essentials of Psychological Testing (3rd edition), New York: Harper & Row.

Cronbach, L. J. & Gleser, G. C. (1953) Assessing similarity between profiles. The Psychological Bulletin, 50 (6), 456-473.

Cronbach, L. J. & Meehl, P. E. (1955) Construct validity in psychological tests. The Psychological Bulletin, 52 (4), 281-302.

Davey, L. (1991) The application of case study evaluations. ERIC Clearinghouse on Tests, Measurement, and Evaluation, Washington, DC: ED338706.

Donoahue, Z., Tassell, M. & Patterson, L. (eds), 1996, Research in the classroom. Talk, texts, and inquiry, Newark: International Reading Association (CF. 30. 177).

Eco, U., 1984, Como se faz uma tese em ciências humanas, Lisboa, Presença, 3ª ed. (trad). (001.8G.27).

Edwards, A. & Lampert, M. (eds), 1993, Talking Data, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates (CF. 27.171).

Elliott, John, 1991, Action research for educational change, Keynes: Open University Press. (CF-30-104) (trad. em espanhol: CF-30-126).

Flick, U., (2005). Métodos Qualitativos na Investigação Científica; trad. Artur M. Parreira. Lisboa: Monitor.

Foddy, W. (1996). Como perguntar: teoria e prática da construção de perguntas em entrevistas e questionários. Oeiras: Celta Editora.

Freixo, M (2010). Metodologia Científica: Fundamentos, Métodos e Técnicas. 2ª ed. Lisboa: Instituto Piaget.

Ghiglione, R. & Beauvois, J. L., 1980, Manuel d’analyse de contenu, Paris: Armand Colin.

Ghiglione, R., & Matalon, B. (1997). O inquérito: teoria e prática. Oeiras: CeltaEditora.

Goetz, J., 1983, Etnography and qualitative design in educational research, Orlando: Academic Pres. (CF.30.62). (trad. em espanhol: CF-30-134).

Hammersley, M. (ed.), 1993, Controversies in classroom research, Buckingham: Open University Press. (CF-30-116).

Hill, M. M., & Hill, A. (2000). Investigação por questionário. Lisboa: Edições Sílabo.

Holly, M. L. (1991) Keeping a Personal-Professional Journal, 5th edition, Victoria: Deakin University.

Howell, D. C. (1982) Statistical Methods for Psychology. Boston, Mass.: Duxbury Press.

Huberman, A. M. & Miles, M., 1991, Analyse des données qualitatives: recueil de nouvelles méthodes, Bruxelles: De Boeck-Wesmael (trad.) (CF-30-137) (existe em inglês).

Huberman, M. & Thurler, M., 1991, De la recherche à la pratique: éléments de base, Berne: Peter Lang. (CF-30-121). Internationale de Pédagogie Expérimentale de Langue Française, Lisboa: AIPELF, 79-88.

Kleinfeld, J. (1990) The case method in teacher education: Alaskan models. ERIC Clearinghouse on Rural Education and Small Schools, Charleston, WV: ED321965.

Kolodner, J. (1993) Case-Based Reasoning, San Mateo, CA: Morgan Kaufmann.

LaCompte, M. et al (eds), 1992, The handbook of qualitative research in education, San Diego: Academic Press. (CF.30.156).

Larson, H. J. (1982) Introduction to Probability Theory and Statistical Inference, New York, Wiley.

Lefèbvre, B. (1988) La recherche qualitative et l’analyse de contenu en sciences de l’éducation. In Estrela, A., Nóvoa, A., Rodrigues. A. Falcão, E. & Pinto, P. R. (eds.) La Méthodologie de la Recherche en Education, Actes du Colloque International de l’Association Internationale de Pédagogie Expérimentale de Langue Française, Lisboa: AIPELF, 79-88.

Lessard-Hèbert, M. et al, 1994, Investigação qualitativa: fundamentos e práticas, Lisboa: Instituto Piaget (trad.).

Mark, M. M. (1986) Validity typologies and the logic and practice of quasi- experimentation. In Trochim (ed.) Advances in Quasi-Experimental Design and Analysis. New Directions for Program Evaluation, 31, San Francisco: Jossey-Bass, 47-66.

Mason, J., 1996, Qualitative researching, London: Sage.

Maxwell, J. A., 1996, Qualitative research design: an interactive approach, Thousand Oaks: Sage.

McDonough, J. & McDonough, S., 1997, Research methods for english language teachers, London, Arnold.

McNiff, J. et al, 1996, You and your action research project, London: Routledge.

Miller, G. & Dingwall, R. (eds), 1997, Context and method in qualitative research, London: Sage.

Moreira, C. (1994). Planeamento e Estratégias da Investigação Social. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.

Myers, J. L., (1972) Fundamentals of Experimental Design. Boston: Allyn and Bacon.

Nunan, D., 1992, Research methods in language learning, Cambridge: C. Univ. Press.

O’Hanlon, C. (ed.), 1997, Professional development through action research in educational settings, London: The Falmer Press.

Ollyer, G., & Lingstrom, R. (1994). Business Week Guide to Multimedia Presentations. Osborne: McGraw-Hill.

Opphneim, A. N. (1999). Questionnaire Design, Interviewing and Attitude Measurement. London: Pinter.

Pardal, L. & Correira, E., 1995, Métodos e técnicas de investigação social, Porto, Areal.

Patterson, L. et al, Teachers are researchers: reflecion and action, Newark: International Reading Association. (CF. 30. 176).

Porkess, R. (1988) Dictionary of Statistics, London: Collins.

Quivy, R., & Van Campenhoudt, L. (2008). Manual de Investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Gradiva.

Reichardt, C. & Gollob, H. F. (1986) Satisfying the constraints of causal modeling. In Trochim (ed.) Advances in Quasi-Experimental Design and Analysis. New Directions for Program Evaluation, 31, San Francisco: Jossey-Bass, 91-107.

Reswerber, Jean-Paul, 1995, La recherche-action, Paris: Presses Universitaires de France.

Rindskopf, D. (1986) New developments in selection modeling for quasi experimentation. In Trochim (ed.) Advances in Quasi-Experimental Design and Analysis. New Directions for Program Evaluation, 31, San Francisco: Jossey-Bass, 79-98.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lúcio, P. B. (2006). Metodologia de Pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill Interamericana do Brasil Ld.ª.

Sanger, J., 1996, The compleat observer? a field research guide to observation, London: The Falmer Press.

Shadish, W. R. Jr., Cook, T. & Houts, A. C. (1986) Quasi-experimentation in a critical multiplist mode. In Trochim (ed.) Advances in Quasi-Experimental Design and Analysis. New Directions for Program Evaluation, 31, San Francisco: Jossey-Bass, 29-46.

Shulman, J. (ed.) (1992) Case Methods in Teacher Education, New York, NY: Teachers College, University of Columbia.

Silverman, D. (ed), 1997, Qualitative research: theory, method and practice, London: Sage.

Silverman, D., 1994, Interpreting qualitative data: methods for analysing talk, text and interaction, London: Sage (CF-30-120).

Sousa, G. V. (1998). Metodologia da investigação, redacção e apresentação de trabalhos científicos. Porto: Livraria Civilização Editora.

Spiegel, M. R. (1994) Estatística, (3ª edição), [Consentino, P. (trad.)], São Paulo: Makron Books.

Thompson, B. (1994) The concept of statistical significance testing. ERIC Clearinghouse on Assessment and Evaluation, Washington, DC: ED366654.

Tuckman, B. W. (1978) Conducting Educational Research, New York, Harcourt.

Tukey, J. W., (1977). Exploratory Data Analysis. Reading, MA: Addison-Wesley.

Williams, D. D. (1986) When is naturalistic evaluation appropriate? In Trochim (ed.) Advances in Quasi-Experimental Design and Analysis. New Directions for Program Evaluation, 31, San Francisco: Jossey-Bass, 85-92.

Wittrock, M. (ed.), 1986, Handbook of research on teaching, New York: Macmillan, 3ª ed. (CF-30-67).

Woods, P., 1995, La escuela por dentro: la etnografia en la investigacion educativa, Barcelona, Paides (trad.).

Wragg, E. C., 1994, An introduction to classroom observation, London: Routlege (CF. 30.145).

Zuber-Skerritt, O. (ed.), 1996, New directions in action research, London: The Falmer Press.

Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização.saber mais
Para que esta página funcione corretamente deve ativar a execução de Javascript. Se tal não for possível, algumas funcionalidades poderão estar limitadas.