Impaciências > Petróleo: prospecção e casos práticos em Portugal

Rui Alves Vieira, Geólogo
Moahave Oil Texas, EUA

O meu pai andava de camelo, eu ando de Rolls-Royce, o meu filho anda de avião a jacto e o filho dele há-de voltar a andar de camelo
Provérbio árabe

Petróleo (do latim petrus, pedra e oleum, óleo) significa “óleo de rocha” e conhece-se desde a mais remota antiguidade. A primeira menção à sua utilização, figura na Bíblia, que nos diz que Noé, antes de navegar, impermeabilizou a arca com betume, o que nos levaria a cerca de 6000 anos antes de Cristo. Os chineses, egípcios e assírios usaram-no para diversas finalidades – na medicina, construção, embalsamamento, etc. – e em França a exploração do petróleo de Péchelbronn, começou em 1498.
Quando no dia 27 de Agosto de 1859, o Coronel Drake (que não era Coronel) encontrou Petróleo numa sondagem realizada a 23 metros de profundidade e iniciou uma produção diária de 25 barris em Titusville na Pennsylvania (Estados Unidos), certamente não imaginaria que esse momento iria moldar para sempre a história da humanidade com o nascimento da indústria petrolífera. Estava finalmente feita a prova de que o Petróleo, tão procurado para a iluminação, podia ser encontrado em grandes quantidades através de sondagens. Um ano depois a região da Pennsylvania tinha já produzido 600.000 barris e 147 anos depois, em 2006, o mundo produz cerca de 85 milhões de barris por dia.
A pesquisa de hidrocarbonetos em Portugal remonta a 1844 com a descoberta da mina de asfalto denominada Canto de Azeche, situada numa falésia próximo da Praia da Vitória (Pataias). Para além da pavimentação de estradas, o asfalto retirado dessa mina terá sido usado para pavimentar as estações de caminho de ferro construídas no final do século XIX e início do século XX.
No Impaciências Café de Ciência Rui Alves Vieira vai conversar connosco sobre questões à volta do Petróleo em Portugal.

Vamos falar com os investigadores, na Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro, pois claro!

sábado 03 de Fevereiro de 2007
15h00 > 16h30m

Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização.saber mais
Para que esta página funcione corretamente deve ativar a execução de Javascript. Se tal não for possível, algumas funcionalidades poderão estar limitadas.