Exposição Documental «Fernando Pessoa e a Contabilidade»

Exposição Documental “Fernando Pessoa e a Contabilidade”, 22 a 26 de Março de 2010 na biblioteca do ISCA-UA

«Só a Contabilidade traz o poeta à realidade».Este foi o mote da exposição documental, que a biblioteca do Instituto de Contabilidade e Administração da Universidade de Aveiro, promoveu na sala de leitura, em comemoração do Dia Mundial da Poesia.

A exposição teve como objetivo dar a conhecer à comunidade académica da Universidade de Aveiro o fundo documental existente nas bibliotecas da UA, mostrar as obras do poeta e sobre o poeta, bem como a sua ligação à Contabilidade. Denominado como o Guarda-Livros, o evento recordou a vida do homem conhecido como o mais famoso dos guarda-livros portugueses, numa simbiose entre a poesia e a contabilidade.

Fernando António Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa, a 13 de Junho de 1888, e faleceu na mesma cidade, na Igreja dos Inglesinhos, em 30 de Novembro de 1935.

Fernando Pessoa foi trabalhador do comércio: foi escriturário numa empresa de transitários na Baixa de Lisboa. E foi mesmo director da «Revista de Comércio e Contabilidade», cujo primeiro número saiu em Janeiro de 1926. A relação escriturário, guarda-livros, contabilista e a poesia é em Pessoa bem visível … (…) «A par do seu Livro do Desassossego – coleção de “impressões sem nexo, nem desejo de nexo” em que ele narra a sua “autobiografia sem factos”, a sua “história sem vida” –, compõe ainda o livro comercial do escritório em que trabalha, livro de números que também o acompanha durante toda a sua vida. E é esta, precisamente, a sua tragédia: ser naturalmente um sonhador e socialmente um contabilista; ser escritor e também, por força escrevente» 


Apesar do poeta ser conhecido nos meios literários, o seu bilhete de identidade (emitido em 28 de Agosto de 1928 e exposto na casa Fernando Pessoa), referia como profissão “empregado de comércio”. Para Pessoa poesia e literatura eram uma vocação, não uma profissão. De referir que Pessoa efectuava escritas e traduções comerciais em diversas firmas.

É no “Livro do Desassossego”, considerado uma das grandes obras de literatura mundial do Século XX, que Bernardo Soares (semi-heterónimo de Pessoa) retrata a sua faceta de “empregado de comércio”.
A Revista de Contabilidade e Comércio , publicou um número dedicado exclusivamente a Fernando Pessoa, com o título “Fernando Pessoa e as Ciências Empresariais”, assinado pelo então Director, Almiro de Oliveira, que referiu: “… daí que, a posteriori, não surpreenda que Fernando Pessoa tenha de facto, trabalhado, vivido e escrito no domínio da economia, da gestão – das Ciências Empresariais…”.

Antes, Pessoa colaborou na Revista de Comércio e Contabilidade , sendo da sua autoria o primeiro artigo do primeiro número (Janeiro de 1926), com o título “Palavras iniciais”. Nesta revista Pessoa escreveu catorze artigos, um deles intitulado “A Inutilidade dos Conselhos Fiscais e dos Comissários do Governo nos bancos e nas Sociedades Anónimas”.
Terá sido Fernando Pessoa “um guarda-livros famoso”, ou um “famoso guarda-livros”, na opinião de alguns autores, o poeta não tem actividade na área contabilística que justifique tal distinção.

Como poeta não há dúvida...

última atualização a 18-12-2015
Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização.saber mais
Para que esta página funcione corretamente deve ativar a execução de Javascript. Se tal não for possível, algumas funcionalidades poderão estar limitadas.