atividades e eventos

2016

PALESTRA
A União Económica e Monetária no processo de integração europeia
5 abril | 15h | Auditório Livraria UA

WORKSHOP
Fontes de informação europeia na internet
5 de abril | 10h - 13h | 14h - 16h



2014


Dia da Europa
9 de maio - Átrio da Biblioteca da UA
09h00 - 21h00


› Exposição bibliográfica
› Projeção de PlayList do canal DALI no LCD
› Divulgação do novo portal Web do CDE-UA - http://www.ua.pt/sbidm/cde
› Exposição de infográfico


2013

Portugal e a Europa – Uma História contada através dos selos portugueses
No âmbito das comemorações do 25º aniversário da Assinatura do Tratado de Adesão de Portugal às Comunidades Europeias, o Centro de Documentação Europeia da UA em colaboração com o Centro de Informação Europe Direct de Aveiro promoveu a exposição “Portugal e a Europa – Uma História contada através dos selos portugueses”.


A exposição esteve patente na Sala de Exposições da Biblioteca  "Hélène de Beauvoir", de 18 a 29 de novembro, das 09h às 18h.


A exposição era da autoria de Isabel Maria Freitas Valente e João Rui Pita e tinha como objetivo retratar através de selos ilustrativos, a história do processo de integração europeia de Portugal, em particular, e da construção europeia, em geral. Os selos eram alusivos a momentos capitais da relação de Portugal com as instituições e as questões europeias mais relevantes.

2010

Com exposição
Biblioteca da UA celebra Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social

O Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeia instituíram o ano 2010, como o Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social. Neste âmbito, o Centro de Documentação Europeia (CDE) da UA organizou uma exposição bibliográfica alusiva ao tema e que pôde ser visitada de 10 a 20 de Maio, na Sala de Leitura Informal da Biblioteca da UA.

A exposição esteve aberta ao público geral entre as 09h00 e as 22h00 de segunda a sexta-feira e aos sábados das 10h00 às 13h00. Deu a conhecer uma seleção de bibliografia em formato impresso e eletrónico, materiais de divulgação alusivos ao tema e um vasto conjunto de materiais para oferta publicados pela União Europeia – livros, revistas, folhetos, t-shirts, lápis, entre outros.

O CDE da UA foi criado em 1995, situa-se no 4º Piso da Biblioteca e conta neste momento com uma colecção de cerca de 1.600 documentos da União europeia, em livre acesso.

2010 - Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social - cartaz

 
 


Publicações do Centro de Documentação Europeia em formato digital
Mais de mil publicações acessíveis em linha no portal das Bibliotecas da UA

O catálogo das Bibliotecas da Universidade de Aveiro (http://opac.ua.pt) permite o acesso em linha a cerca de mil publicações do Centro de Documentação Europeia em texto integral.

Situada no quarto piso da Biblioteca da Universidade de Aveiro, o Centro de Documentação Europeia disponibiliza uma variedade de publicações das instituições da União Europeia em formato papel, desde monografias a brochuras. Muitas destas publicações estão também acessíveis em formato digital através da pesquisa no catálogo bibliográfico – http://opac.ua.pt/F/?func=find-b&find_code=WSU&adjacent=Y&local_base=cde.
Clicando no número de registo, é possível ter acesso ao registo completo da publicação pretendida e verificar se este apresenta o campo URL. Para aceder à publicação em formato digital basta clicar em “Acesso em linha” e o catálogo fará a transferência para a URL correspondente. 


Dia 20 de Maio
Universidade de Aveiro realizou conferência sobre Ano Europeu de Luta contra a Pobreza e a Exclusão Social

No âmbito das comemorações do Ano Europeu de Luta contra a Pobreza e a Exclusão Social, os Serviços de Biblioteca, Informação Documental e Museologia e o Centro de Documentação Europeia desta Universidade promoveu uma conferência alusiva ao tema, hoje, 20 de Maio, às 15h00, na Sala de Exposições Hélène de Beauvoir da Biblioteca da UA.  Foram oradores desta conferência a Prof. Doutora Liliana Xavier, Pró-Reitora da UA e docente da Secção Autónoma de Ciências da Saúde, e o Padre João Gonçalves, Presidente da Instituição Diocesana de Solidariedade Social - Florinhas do Vouga.

O tema que a Prof. Liliana Xavier trouxe a esta conferência intitula-se «Famílias vulneráveis: mudar os paradigmas e os modelos de intervenção». Ao longo da sua carreira de docente e investigadora, a Prof. Liliana Xavier tem publicado diversos livros e artigos científicos que abordam, especificamente, as famílias carenciadas e os cuidados de saúde das pessoas idosas, dessas famílias. «Famílias pobres», «Enfrentar a velhice e doenças crónicas» e «Supporting families carers of older people in Europe» são alguns dos muitos títulos que podem ser encontrados nas bibliotecas da UA. A oradora é também psicóloga, terapeuta familiar e doutorada em ciências da educação.

Com o tema «Com os pobres, pela inclusão social», o Padre João Gonçalves deu conta na sua apresentação da sua vasta experiência pessoal relativamente aos pobres e a sua inclusão social e comunitária. O Padre João Gonçalves é Capelão do Hospital Infante D. Pedro, desde 1993 e do Estabelecimento Prisional de Aveiro há mais de 30 anos. É Coordenador Nacional da Pastoral das Prisões desde 2003, Presidente da Instituição Diocesana de Solidariedade Social - Florinhas do Vouga e voluntário na Ceia com Calor com os Sem-abrigo. 

A conferência esteve aberta a toda a comunidade académica e demais interessados nos temas apresentados.


2009

Criatividade e Inovação – conferência

cartaz


No âmbito das comemorações do Ano Europeu da Criatividade e Inovação – 2009, os Serviços de Documentação da Universidade de Aveiro promoveram no dia 7 de Maio, pelas 15h00, no auditório da Livraria da UA, uma conferência aberta à apresentação de ideias e tendências que marcam o tempo presente.
A Conferência sobre Inovação e Criatividade foi uma ocasião para descobrir algumas das coordenadas possíveis em dois mundos que se cruzam: as artes plásticas, tema que foi desenvolvido pelo Professor da UA, Paulo Bernardino, e a criação de uma empresa, segundo a perspectiva de Frederico Dinis, director da Revista Inovar.te.

A apresentação da Conferência esteve a cargo do Prof. Doutor Jorge Alves, antigo vice-reitor da Universidade de Aveiro, fundador e presidente da Agência de Inovação entre 1993 e 1996.

A entrada era livre e o debate aberto a todos os participantes.


2008

Sala Hélène de Beauvoir da Biblioteca da UA
Universidade de Aveiro celebrou o Ano Europeu do Diálogo Intercultural

Em 2008 comemorou-se o Ano Europeu do Diálogo Intercultural. O Centro de Documentação Europeia da Universidade de Aveiro associou-se às comemorações, que decorrem em todos os 27 países da UE, com uma exposição sobre o tema que esteve patente no edifício da Biblioteca, entre os dias 8 e 16 de Maio, das 09h00 às 17h00. A exposição esteve aberta ao público em geral e deu a conhecer uma selecção de conceitos, pensamentos, factos, ideias e números sobre os Direitos Humanos e Multiculturalismo, cartazes, posters e documentos de divulgação produzidos pela União Europeia.


Com exposição e conferência
O Centro de Documentação Europeia da Universidade de Aveiro associou-se às comemorações do Ano Europeu do Diálogo Intercultural (2008), que decorreram nos 27 países da UE, com uma exposição sobre o tema que decorrerá na Biblioteca da UA entre 8 e 16 de Maio. No dia 15 realizou-se também uma conferência sobre «A UE e os cidadãos: Democracia e Integração Europeia», pelo Prof. Carlos Jalali, docente da UA e membro da equipa nacional do Eurobarómetro.

A exposição, que pôde ser visitada na Sala Hélène de Beauvoir (Biblioteca da UA), entre as 09h00 e as 17h00, esteve aberta ao público em geral e deu a conhecer uma seleção de conceitos, pensamentos, factos, ideias e números sobre os Direitos Humanos e Multiculturalismo, cartazes, posters e documentos de divulgação produzidos pela União Europeia.

Ainda no contexto destas comemorações, no dia 15 de Maio, o anfiteatro do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade recebeu, pelas 15h00, uma conferência sobre «A UE e os cidadãos: Democracia e Integração Europeia», a cargo do Professor Carlos Jalali, docente da UA e membro da equipa nacional do Eurobarómetro. Esta conferência esteve aberta a todas as pessoas interessadas e em especial aos alunos dos ensinos superior e secundário.



2007

Biblioteca da UA
União Europeia em exposição documental na Biblioteca da UA

O Centro de Documentação Europeia da UA assinalou o Dia da Europa, 9 de Maio, com uma exposição documental sobre a realidade política, económica e social dos países que constituem o conjunto da União Europeia. A mostra esteve patente no átrio da Biblioteca. Durante o horário de funcionamento da Biblioteca ficaram à disposição dos interessados um conjunto de posters, folhetos e outro material gráfico de divulgação, oferecidos pela representação portuguesa da Comissão Europeia. 


Centro de Documentação Europeia
Milhares de obras da UE para consulta na UA

Surgiu em 1995 e integra a rede de centos de documentação europeia criada pela representação em Portugal da União Europeia. Na data em que se assinala o Dia da Europa, 9 de Maio, o @ua_online abre-lhe as portas do Centro de Documentação Europeia da Universidade de Aveiro.

Fica situado no 4º piso da Biblioteca da UA e reúne milhares de obras do conjunto de países de 27 países que formam a União Europeia. O Centro de Documentação Europeia (CDE) da UA, sob a responsabilidade do Dr. Daniel Oliveira, é uma unidade funcional pertencente aos Serviços de Documentação.

 

No CDE a documentação, enviada essencialmente pela representação portuguesa da União Europeia, é catalogada e posteriormente difundida. «A informação é tratada por nós e depois disponibilizada ao público, sem quaisquer restrições», explica Daniel Oliveira.

 

Apesar de estar localizado no campus universitário, a acção do CDE vai para além do circuito académico «O Centro de Documentação tem um âmbito de actuação mais alargado, estende-se ao público em geral e às escolas que muitas vezes procuram matérias para os trabalhos», salienta o Técnico de Documentação.

 

A sala do CDE está preenchida por milhares de obras que se debruçam sobre vários temas (transportes, ambiente, finanças, relações externas, politica comercial, dados estatísticos, etc.) e países. A consulta pode ser efectuada no papel ou em suporte digital, já que, grande parte da documentação chega aos centros de documentação, via web, ou está disponível na Internet.

 

«A informação sobre o funcionamento da União Europeia, os dados relativos às instituições que fazem parte da UE, os países aderentes, bases de dados com elementos estatísticos como o Eurostat ou Eurydice, os documentos que estão a ser preparados para aprovação e discussão no Parlamento Europeu e até o jornal oficial, está online, em português, e é também de livre acesso», explica Daniel Oliveira.

 

Uma das obras mais consultadas e o principal meio de informação é o jornal oficial que é, segundo Daniel Oliveira, «uma espécie de Diário da República da União Europeia», onde são publicados concursos, anúncios oficiais e legislação. A leitura electrónica, deste e de outros documentos, é auxiliada por um técnico que o CDE da UA disponibiliza para apoio.

 

Além da gerir a informação documental, o CDE organiza outras iniciativas. Em Janeiro, esteve patente no «átrio do Edifício Central da Reitoria a exposição fotográfica «Portugal e Espanha vinte anos de integração na Europa» comemorativa dos vinte anos de adesão de Portugal e Espanha à União Europeia.

 

Para assinalar o Dia da Europa, o CDE organizou uma exposição documental, patente no átrio da Biblioteca até à próxima Sexta-feira, que caracteriza o conjunto de países da União Europeia.


Participe até 15 de Abril
CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO EUROPEIA DA UA EM AVALIAÇÃO

No âmbito da avaliação internacional dos Centros de Documentação Europeia promovida pela Direcção Geral de Comunicação da Comissão Europeia, o Centro de Documentação Europeia da UA solicitou a colaboração de todos os utilizadores, no sentido de contribuírem para a melhoria deste serviço através do preenchimento de um inquérito. 

Opinião
NÓS E A EUROPA
19.1.2007
No dia em que a UA inaugurou a exposição fotográfica «Portugal e Espanha vinte anos de integração na Europa» e no ano em que Portugal presidiu, mais uma vez, à União Europeia, Daniel Oliveira, responsável pelo Centro de Documentação Europeia dos Serviços de Documentação da UA, reflectiu sobre o velho continente e uma UE em alteração permanente.

«No dia 9 de Maio de 1950 o Ministro dos Negócios Estrangeiros da França, Robert Schuman, fez uma declaração pública que iria mudar a face da Europa. A paz mundial não poderá ser salvaguarda sem esforços criadores face à ameaça presente, foram estas as primeiras palavras da célebre declaração Schumann, proferidas no Salonde l'Horloge, sede do Ministério dos Negócios Estrangeiros, em Paris. A tradicional rivalidade entre a França e a Alemanha ainda não estava ultrapassada e as memórias recentes ainda sangravam. Era necessária uma resposta sensata para romper o clima de guerra-fria que surgia no horizonte como mais uma ameaça sobre a humanidade, ainda mal tinham decorridos cinco anos sobre a devastação da Segunda Guerra Mundial.

Passados cinquenta e sete anos a Europa vive em paz e conseguiu fazer o que jamais conseguira pela força das armas: o entendimento entre os povos, a convivência pacífica e a unidade política. Já não é mau para um projecto que começou com a adesão de seis países, em 1952 e acaba, neste mês de Janeiro de 2007, de abranger 27 países onde vivem quase 500 milhões de pessoas.

Regressemos ao texto apresentado à imprensa por Robert Schuman, nessa tarde de 1950: A Europa não se fará de um golpe, nem numa construção de conjunto: far-se-á por meio de realizações concretas que criem em primeiro lugar uma solidariedade de facto. A união das nações europeias exige que seja eliminada a secular oposição entre a França e a Alemanha. Da declaração de intenções, rapidamente se passou à acção. Dois anos mais tarde seria criada a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA) que esteve na origem na Comunidade Económica Europeia (CEE, 1957) e, com o tratado de Maastricht, assinado em 1992, na actual União Europeia (UE).

Muito antes da adesão à então Comunidade Económica Europeia, em 1985, os portugueses já tinham aderido à Europa. Nas décadas de 1960 e 70 mais de um milhão partira para os países desenvolvidos (sobretudo para a França e Alemanha) em busca de melhores condições de vida. Mas Portugal teria de criar as condições políticas de liberdade e democracia, após a revolução de 1974, e esperar uma década, para ser aceite como membro de pleno direito de uma Europa a que, pela Geografia, pela História e pela Cultura, sempre pertenceu.

O que é afinal a União Europeia, cuja data é lembrada no calendário, tem uma bandeira, um hino, um parlamento, um governo (Comissão e Conselho) e até quer ter uma Constituição política? Será que a União Europeia é uma realidade que tem o mesmo significado para um grego, um alemão, ou um finlandês? Os portugueses não têm mais nostalgia de África ou do Brasil do que da Europa? A fazer fé na participação dos cidadãos nas eleições para o Parlamento Europeu dir-se-ia que o tema não entusiasma. Afinal, a Europa não é acusada de défice democrático na sua construção, de excesso de regulamentação e burocracia, de viver nas suas torres de marfim entre Bruxelas e Estrasburgo, sustentada por uma floresta de regulamentações e directivas e guardada por zelosos eurocratas?

Aos críticos não faltarão razões válidas para lamentar este estado de coisas; mas não podemos esquecer o outro lado desta moeda: um espaço de liberdade para quinhentos milhões de pessoas, a garantia dos direitos individuais dos cidadãos, a certeza de que ninguém é preso ou perseguido por exprimir as suas opiniões, o respeito pelas minorias e pelas culturas dos povos. Tudo isto foi conseguido ao longo de meio século. Nada disto conseguiram os exércitos de Carlos Magno, Carlos V, Napoleão ou Hitler, com os seus tristes cortejos de mortos, deslocados e humilhados em nome de uma intenção mais ou menos clara de unificação da Europa.

A partir de um mercado comum para o carvão e o aço, a União Europeia evoluiu para uma realidade complexa em que cada estado membro abdicou da sua soberania em matérias sociais, económicas e financeiras, na justiça e na segurança interna e externa em nome de um projecto que não é uma confederação de estados, como os EUA, mas que não tem paralelo em nenhuma outra instituição internacional.

Alargada a 27 países, a UE procura um rumo para o futuro. A Convenção que decorreu em 2003 já apresentou o projecto de Constituição para a Europa. Nos referendos realizados em 2005 na França e Holanda os eleitores destes países não aceitaram a ideia. Os ingleses, segundo a opinião expressa em sondagens, já a recusaram. Também não aceitaram o euro, tal como a Suécia e a Dinamarca. Jacques Delors costumava dizer que a Europa é como uma bicicleta que deve estar sempre em movimento. Há quem considere que é tempo para parar e pensar.

Em Março de 2007 comemoram-se os 50 anos do Tratado de Roma que criou a CEE, mas o projecto europeu enfrenta dificuldades antigas, que se prendem com o fraco crescimento económico, e desafios novos que ganharam nova dimensão neste início de século: a segurança, a imigração, o desemprego e o multiculturalismo. Além do mais, o ambiente psicológico, que faz dos europeus pouco ou nada entusiasmados com a Europa e os seus líderes, não deixa grande margem para avanços como os que marcaram as décadas passadas.

No segundo semestre de 2007 Portugal assume a presidência da UE e, para deixar a sua marca, numa comunidade de países onde a competição interna é feroz, terá de fazer valer os seus trunfos: dar novo impulso à apagada Estratégia de Lisboa para o Crescimento e Emprego, relançar a abertura aos países africanos e latino-americanos e contar com o envolvimento especial do presidente da Comissão, José Manuel Barroso».

Daniel Oliveira
Centro de Documentação Europeia - Universidade de Aveiro





2006

OPORTUNIDADE DE ESTÁGIO NA ALEMANHA PARA LICENCIADOS

A Mobilidade do Programa Leonardo da Vinci, foi um projecto que recrutou jovens nas seguintes áreas:
  •  Animação Sócio-Cultural;
  •  Artes;
  •  Ciência Política;
  •  Comunicação Social;
  •  Design Gráfico;
  •  Hotelaria e Turismo;
  •  Línguas e Literaturas Modernas;
  •  Marketing e Publicidade;
  •  Multimédia;
  •  Psicologia;
  •  Relações Internacionais;
  • Serviço Social e Sociologia. 

Este estágio profissional, com a duração de 24 semanas (6 meses), decorreu entre Outubro de 2006 e Março de 2007.



Conferências
CONFERÊNCIA «MOBILIDADE NA UNIÃO EUROPEIA — OPORTUNIDADES PARA OS JOVENS»
11.5.2006
O Centro de Documentação Europeia da Universidade de Aveiro associou-se às comemorações do Dia da Europa, celebrado a 9 de Maio, realizando na Universidade de Aveiro, no dia 11, às 14h30, no Anfiteatro do Departamento de Engenharia Mecânica, uma conferência apresentada por Carlos Medeiros, do Centro de Informação Europeia Jacques Delors, sob o tema «Mobilidade na União Europeia — Oportunidades para os Jovens».


última atualização a 06-05-2016
Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização.saber mais
Para que esta página funcione corretamente deve ativar a execução de Javascript. Se tal não for possível, algumas funcionalidades poderão estar limitadas.