ICIPAV.2008 – Identidade e Cidadania: Padre António Vieira 2008

Projecto apresentado à FCT em Setembro de 2006 – Concursos de Projectos de I&D

 

Resumo:

Pretende-se partir de uma figura que se exprimiu em língua portuguesa para abordar e tentar ultrapassar os gravíssimos problemas de identidade e cidadania que no século XVII foram as consequências das mudanças culturais trazidas pela primeira globalização em que todos os povos e culturas começaram a estar relacionados com todos os outros. Vieira é um exemplo da defesa da própria identidade e do respeito pela identidade dos outros, fossem eles índios, cristãos, judeus ou muçulmanos. No século XXI, na 2ª globalização, em que todos os povos e culturas sabem em cada dia o que acontece a todos os outros, verificamos uma generalizada aceleração de mudanças culturais que não são acompanhadas pela necessária abordagem educativa das questões de identidade linguística, cultural, política e de cidadania para viver num mundo globalizado, mas respeitador das identidades próprias e locais.  

Em 2008 faz 400 anos que nasceu o padre António Vieira (1608-1697), um dos maiores escritores de língua portuguesa; cosmopolita português e brasileiro, precursor dos Direitos Humanos (a causa judaica), humanista que sofreu e se revoltou contra a prioridade dos interesses políticos e económicos sobre indígenas primitivos e indefesos (luta contra a escravatura), foi também um homem de negócios que geriu para sobrevivência dos autóctones um território tão vasto como duas vezes a Península Ibérica; diplomata, partilhou a companhia e a mesa de reis e papas no meio de intrigas palacianas dos países mais ricos e poderosos da Europa; político lutador, aguentou a pressão ideológica da todo-poderosa Inquisição; visionário de uma identidade única e original e de uma cidadania global, concebeu um utópico Quinto Império onde havia lugar para todos, mesmo nos tempos mais difíceis.

O padre António Vieira nasceu em Lisboa a 6 de Fevereiro de 1608, no reinado de Filipe II. Seu pai emigra e a família junta-se em 1614 em Salvador da Bahia. Entra para o Colégio dos Jesuítas em 1623 e em 1634 é ordenado padre. Em 1641, após a restauração da monarquia portuguesa, acompanha o filho do vice-rei a Lisboa, grangeando a amizade e confiança do rei D. João IV que o enviou em difíceis e perigosas missões a França, Holanda e Itália durante 11 anos. Em 1653, desiludido da corte, inicia nova fase da sua vida nas missões do Maranhão e Grão Pará, onde o sucesso da cristianização dos Índios e a luta pelos direitos dos autóctones à liberdade lhe acarretam inimizades e perseguições, sendo preso em 1661, enviado para o reino, encarcerado e sentenciado pelo Tribunal da Inquisição. Libertado em 1667, segue para Itália, onde frequenta a corte da rainha Cristina da Suécia e a Cúria Romana, exibindo a sua erudição e os seus dotes de orador. Regressa a Portugal em 1675. Viveu 36 anos na Europa, 20 dos quais ao serviço da coroa portuguesa. Em 1681, aos 73 anos, regressa a Salvador da Bahia que o viu crescer, onde aperfeiçoa o texto dos seus Sermões e continua a luta até ao fim da vida, aos 89 anos, pelos seus ideais e utopias.

A Universidade de Aveiro disponibilizou o equipamento informático e multimedia durante a realização da investigação científica do Cruzeiro Histórico Identidade e Cidadania no roteiro do Padre António Vieira para dinamizar a compreensão da sua vida e obra e assegurou a publicação do diário de bordo na página www.ua.pt/vieira2008.

Na comemoração dos 400 anos do seu nascimento pretende-se desenvolver o Projecto de Investigação “ICIPAV2008 – Identidade e Cidadania: Padre António Vieira 2008”, associado ao Mestrado em Ciências da Educação na área de especialização de Formação Pessoal e Social (2006-2008) que tem como temas integradores a Identidade e a Cidadania, como referência o padre António Vieira e como horizonte o Congresso internacional em língua portuguesa (ICIPAV2008: congresso), ao qual está associado um Festival internacional em língua portuguesa (ICIPAV2008: festival) e uma Exposição itinerante (ICIPAV2008: exposição) que divulgará pedagógica e culturalmente os resultados do congresso e do festival.

Mestrandos e doutorandos, educadores e professores, investigadores e interessados pela história, pela cultura e pedagogia da identidade e da cidadania, têm a oportunidade de criar laços e desenvolver investigação sobre um passado que precisa de ser redescoberto e um futuro que precisa de ser construído.

 

Objectivos:

1)      Sustentar investigação inovadora sobre questões de identidade e cidadania no século XVII e no século XXI em escolas e comunidades locais com pessoas provenientes de diferentes origens culturais e linguísticas, focando-se, entre outros, problemas relacionados com o sucesso na escola e no trabalho produtivo; a descoberta e o conhecimento das causas de Vieira no seu tempo constituem uma contribuição para o debate das causas do nosso tempo.

2)      Apoiar investigação na temática geral da identidade e cidadania em campos de estudo multiculturais já em curso: a) comparação dos problemas e soluções nos contextos da 1ª globalização e da 2ª globalização (crise de valores, crise do ser ou da corrupção à liberdade, crise de relação ou de intolerância à fraternidade, cidadania universalista e cidadanias locais); b) cidadania em educação ambiental na formação de professores na Europa e na Amazónia (estudo histórico comparado); c) diversidade cultural e produção de saberes (o sucesso em língua e matemática em escolas multiétnicas em Portugal e no Brasil; d) outras instituições estão em preparação na cooperação científica e académica entre Portugal e Brasil.

3)     Internacionalizar a investigação em curso através do contacto permanente e das ligações de investigação entre universidades e centros de investigação de países de língua portuguesa e espanhola a partir de figuras e problemas comuns; o Congresso internacional será organizado por Universidades europeias, sul-americanas e africanas, pretendendo-se estabelecer uma rede que sustente uma revista internacional on line em ciências da educação.

4)      Experimentar metodologias adequadas ao estudo da identidade e cidadania em contexto multicultural e multiétnico, procurando sobretudo utilizar estudos comparados e experimentais de situações de hoje.

5)       Difundir a temática da identidade e cidadania através de uma exposição itinerante, a partir da vida e obra do padre António Vieira, mas centrada nos contextos multiculturais de hoje e na diversidade de culturas que se exprimem em língua portuguesa e na diversidade linguística e cultural característica na Europa alargada.

6)      Testar e avaliar os efeitos de uma abordagem pedagógica diferente das identidades e cidadanias, nomeadamente questionando sobre a fundamentação das referências da identidade nacional e linguística e da cidadania europeia e mundial, no século XVII e no século XXI, em Portugal, no Brasil e outros países da CPLP.

 

Estado da arte:

A vida e obra do padre António Vieira tem sido estudada por inúmeros comentadores sempre de um ponto de vista teórico e literário, dada a beleza e o empolgamento do seu estilo, mas nunca ninguém percorreu o seu caminho físico no espaço geográfico para permitir um olhar mais objectivo e mais atractivo sobre o conteúdo do discurso e a força física e emocional que animou a vida do jesuíta. Um trabalho deste teor nunca foi realizado.

Nascido em Lisboa e educado em Salvador da Bahia, tendo passado 36 anos na Europa onde frequentou os ambientes mais requintados e 53 longos anos no Nordeste brasileiro e na Amazónia onde conviveu com os índios mais pobres, este europeu e sul-americano, que cruzou o Atlântico por sete vezes, com uma avó de origem africana que lhe marcou a tez escura da pele de que se orgulhava na imponência da sua estatura, este português e brasileiro desenvolveu uma identidade a que hoje chamamos multicultural e intercultural baseada num miscegenação que ultrapassa os limites das raças, das nacionalidades e das culturas. Já em 1516, a partir de Londres, o chanceler do reino de Inglaterra, Tomás Moro, intuíra um viajante Rafael Hitlodeu cidadão do mundo nascido em Portugal que conhecia novos mundos descobertos por portugueses e espanhóis. Vieira foi um desses “cidadãos do mundo” de verdade, que percorreu uma parte importante desse mundo, tanto pelas grandes capitais da Europa como pelas selvas do Maranhão, do Pará, da Amazónia e do Ceará, o que condicionou o seu modo de ser, de observar, de agir e de comunicar. A partir da vida e obra do padre António Vieira podemos focar as noções e sobretudo as realidades a que chamamos identidade (racial, nacional, multi ou intercultural) e cidadania (nacionalista-legalista herdada da Revolução Francesa ou global-humana na linha da Declaração Universal dos Direitos Humanos). Em tempos de globalização, de encontro de culturas e de choque de civilizações podemos revisitar com uma nova visão os problemas e os dramas que Vieira já antevira como História do Futuro.

Vieira tem sido estudado pelo seu estilo oratório, pela sua obra missionária, pelas suas ideias filosóficas e humanísticas, pelas suas opções políticas, pelas suas utopias, mas tanto os seus biógrafos como os seus críticos e admiradores nunca abordaram a questão da identidade e a sua imagem de real cidadão do mundo. Este relevo foi dado pelo seu primeiro biógrafo, o padre André de Barros (1675-1754) [Vida do apostolico Padre Antonio Vieyra...chamado por antonomasia o grande... Lisboa: Nova Off. Sylviana, 1746; A vida do Padre António Vieira. Lisboa: J. M. C. Seabra & T. Q. Antunes, 3.ª ed.: 1858], mas nunca mais foi desenvolvido por nenhum outro dos seus principais biógrafos posteriores: João Francisco Lisboa (1812-1863) [A vida do padre Antônio Vieira, S. Paulo: Edições Cultura, 1942; Rio de Janeiro: W. M. Jackson, 1949], João Lúcio de Azevedo (1855-1933) [História de António Vieira: com factos e documentos novos. Lisboa: A. M. Teixeira, 1918-1920 - 2 v. / História de António Vieira. Lisboa: Clássica, 1931 (2.ª ed.), 1992 (3.ª ed.) - 2 v.] e Hernâni Cidade (1887-1975) [Padre António Vieira: a obra e o homem. Lisboa: Arcádia, 1964 (1.ª ed.), 1979 (2.ª ed.) - Lisboa: Presença, 1985].

Foram publicados textos ilustrados com as capas das edições dos seus livros, fotos da sua escrita, de alguns objectos que fizeram parte do seu quotidiano (uma cadeira, uma secretária, um crucifixo e um relicário), de pinturas que o retrataram, mas nunca se ilustraram os seus caminhos, os seus terrenos de acção, desde os púlpitos onde pregou os seus sermões até aos igarapés por onde navegou durante centenas de dias. E, no entanto, o jesuíta sempre deu um especial relevo à sua itinerância, a calcular pelo número de páginas e de referências que lhes dedicou.

Nos dias de hoje vários povos e nações constroem a sua própria história em língua portuguesa num mesmo espaço global; a presente investigação pretende estudar a(s) variedade(s) de modos e formas de construção e expressão de identidades e cidadanias em língua portuguesa, para o que será necessária uma abordagem transdisciplinar, que incluirá aspectos da antropologia, linguística, psicologia, história, filosofia, ciências sociais e políticas… O que exige um trabalho interdisciplinar e inter-institucional com outros departamentos, faculdades e universidades de países de língua portuguesa.

Alguma bibliografia de referência:

Bruno , Sampaio. O encoberto. Porto: Livraria Moreira, 1904; Lello & Irmão, 1983.

Freyre , Gilberto. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Lisboa: Livros do Brasil, [1957].

Freyre , Gilberto. Nordeste: aspectos da influencia da canna sobre a vida e a paizagem do nordeste do Brasil. Rio: Livr. José Olympio, 1937.

Freyre , Gilberto. O mundo que o português criou: aspectos das relações sociais e de cultura do Brasil com Portugal e as colónias portuguesas, pref. António Sérgio. Rio de Janeiro: Livr. José Olympio, 1940.

Osório , Jerónimo. Tratados da nobreza civil e cristã. Lisboa: Impr. Nac.-Casa da Moeda, 1996.

Pascoais , Teixeira de. Arte de ser português. Porto: Renascença Portuguesa, 1915; Lisboa: Assírio & Alvim, 1991.

Pascoais , Teixeira de. Cartas de Pascoaes e Unamuno. Nova Lisboa: Câmara Municipal, 1957.

Silva , Agostinho. Educação de Portugal. Lisboa: Ulmeiro, 1989.

Resultados:

O Congresso internacional procurará implementar e reforçar uma rede de investigação em ciências da educação entre universidades e centros de investigação de países de língua portuguesa e espanhola, à volta da temática «identidade e cidadania» num tempo em que são postas em questão todas as identidades e cidadanias. Associados a este congresso, prevê-se um festival de culturas de língua portuguesa e uma exposição itinerante para divulgação pedagógica e cultural do congresso e do festival.

Criação de revista científica internacional on line.

Elaboração de dissertações de mestrado e doutoramentos, comunicações e artigos científicos.

Repercussões:

Esta investigação tem um interesse global para todos os falantes da língua portuguesa, espalhados pelo mundo, e em especial para os jovens que encontrarão nesta forma de investigação uma maneira actual de estudar um personagem que poderia ser considerado o primeiro cidadão da CPLP, quando se celebram os 400 anos do seu nascimento: pela sua miscigenação genética, pela experiência de vida em vários continentes em diferentes latitudes, pelo respeito pela dignidade humana de todos por mais diferentes que possam parecer, pelo uso sedutor e emotivo da língua portuguesa em contextos culturais diferenciados. O aprofundamento da maneira de ser multicultural ligada à língua portuguesa parece ser o grande desafio a desenvolver no tempo da globalização , utilizando os meios tecnológicos mais avançados para enfrentar o desafio de uma educação permanente ao longo da vida.

Regionalização:

Criação de rede internacional de universidades e centros de investigação que suporte uma revista internacional on line e congressos com video-conferência e desenvolva investigação e intervenção comunitária local.

Tarefas:

Congresso internacional em língua portuguesa (2008-2009).

Festival internacional em língua portuguesa (2008-2009).

Exposição itinerante (2008-2009).

Criação de revista internacional on line (2008-)

Implementação da qualidade em investigação em mestrados e doutoramentos (2008-).

Publicações e comunicações (2008-).

Acções de divulgação da actividade científica:

Página www.ua.pt/vieira2008 a transformar em revista internacional on line.

Investigadores:

Carlos Alberto Pereira de Meireles Coelho (Responsável). Objectivos do investigador responsável: Todos os objectivos do projecto. Na continuação de investigação em História da Educação e Educação Comparada pretende-se prosseguir uma nova investigação sobre valores de identidade e cidadania em escolas portuguesas comparando-os com estudos similares em outras escolas europeias e de países da CPLP (Brasil, Cabo Verde...).

Manuel Fernando Ferreira Rodrigues

Luís de Jesus Ventura de Pinho

Evaristo Vicente Fernandes

António Vítor Nunes de Carvalho

Alexandre Manuel da Silva e Cruz

Ana Bela Lopes Ferreira

Claudia do Socorro Gomes da Silva

Manuel Maria de Melo Alte da Veiga

Ernesto Candeias Martins

Maria de Fátima Neves

António Sousa Abreu Freire

Gustavo Alexandre Almeida de Vasconcelos

Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização.saber mais
Para que esta página funcione corretamente deve ativar a execução de Javascript. Se tal não for possível, algumas funcionalidades poderão estar limitadas.