O LALE (Laboratório Aberto para a Aprendizagem de Línguas Estrangeiras) é uma estrutura de investigação e formação do CIDTFF criada em Outubro de 1999 com financiamento do Instituto de Investigação da Universidade de Aveiro e actualmente financiada pela FCT - Fundação para a Ciência e Tecnologia, no âmbito do projecto Plurieduca(Análise e construção da competência plurilingue – percursos didácticos para uma educação em línguas).

O Laboratório desenvolveu-se, desde o início, em interacção constante com a formação de professores responsáveis pela educação em línguas em diferentes níveis de ensino. Esta estreita interacção entre discursos didácticos de formação, de investigação e de intervenção constitui uma das principais potencialidades do LALE no sentido da sua afirmação no contexto político-educativo e científico nacional e, simultaneamente, um do seus principais desafios.

São finalidades do Laboratório:

  • Produzir conhecimento sobre o processo de educação em línguas.
  • Partilhar conhecimento com a comunidade de investigadores em  didáctica de línguas e com docentes e formadores de línguas.
  • Conceber, experimentar e avaliar estratégias e materiais de ensino-aprendizagem de línguas, bem como de formação de professores.
  • Fomentar a articulação entre o CIDTFF e as escolas, nomeadamente através de propostas fundamentadas de ensino-aprendizagem de línguas e da promoção de uma atitude investigativa dos professores e formadores.

Os estudos levados a cabo durante a primeira fase do LALE (1999-2002) proporcionaram a produção de conhecimento sobre o conceito de competência plurilingue, conceito este que se identificou como transversal aos diferentes projectos em curso. Assim, organizou-se o trabalho a desenvolver no triénio seguinte (2003-2005) em torno das seguintes questões  de investigação:

  • Como se constrói uma competência plurilingue em diferentes contextos de funcionamento do sujeito?
  • Qual a especificidade desta competência comunicativa?
  • Como se pode intervir sobre ela, desenvolvendo-a?
  • Como formar para a promoção desta competência?
  • Como avaliar o desenvolvimento da competência plurilingue?


A investigação em curso permitiu identificar quatro grandes dimensões da competência plurilingue, trabalhadas nos diferentes projectos com maior ou menor enfoque. São elas:

  • gestão socio-afectiva da competência plurilingue, procurando analisar o papel das motivações, disponibilidades, predisposições e inibições dos sujeitos;
  • gestão dos repertórios linguístico-comunicativos, procurando analisar o papel e o estatuto das diferentes línguas na história comunicativa do sujeito;
  • gestão dos repertórios de aprendizagem ,observando os modos de regulação do sujeito utilizados no seu processo de aprendizagem verbal;
  • gestão dos processos interactivos, pretendendo identificar e compreender os modos interactivos específicos das situações de contacto de línguas.
     
última atualização a 02-11-2015
Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização.saber mais
Para que esta página funcione corretamente deve ativar a execução de Javascript. Se tal não for possível, algumas funcionalidades poderão estar limitadas.