44 anos da UA
 

Livros publicados 2013 → 2016

Todas as cores da América: A literatura multicultural

João de Mancelos
ISBN 978-989-689-530-3
1ª Ed., Lisboa: Colibri
2015

Os Estados Unidos da América constituem uma nação multicultural, composta por ameríndios, negros, euro-americanos, etc. A literatura aborda este universo, refletindo acerca da identidade, do racismo ou da assimilação. Este livro analisa contos de Toni Cade Bambara, Maxine Hong Kingston, Rudolfo Anaya, Sandra Cisneros, Sherman Alexie, Katherine Vaz, etc.

Manual de escrita criativa

João de Mancelos
ISBN
2ª Ed. aumentada, Lisboa: Colibri
2015

Este livro explica as técnicas fundamentais para escrever um conto ou um romance. Propõe ainda alguns exercícios úteis e divertidos, que pode fazer individualmente ou em grupo.  Aprenda a recolher ideias, desbloquear a inspiração, gerar suspense, construir uma personagem, criar uma atmosfera, etc.<

Dicionário dos Primeiros Livros Impressos em Língua Portuguesa

José Barbosa Machado
ISBN
4. vols, Braga: Ed. Vercial
2015

Depois de vários séculos de amadurecimento, a Língua Portuguesa de finais do século XV prefigura aquilo que será nos séculos seguintes. A produção literária da época, quer pela tradução de textos latinos e castelhanos, quer pela criação de obras originais, contribuiu para a maturidade da língua, permitindo o alargamento do léxico e o desenvolvimento da construção sintática com repercussões na capacidade de expressão.

A imprensa, que entrou em Portugal no reinado de D. João II, teve um papel fundamental na divulgação de textos e no desenvolvimento e maturidade da Língua Portuguesa escrita. 
O dicionário, com mais de onze mil entradas, baseia-se no vocabulário das seguintes obras incunabulares: Sumário das Graças; Sacramental; Tratado de Confissom; "Vita Christi"; "História do Mui Nobre Vespasiano Imperador de Roma"; "Constituições de D. Diogo de Sousa"; "Evangelhos e Epístolas com suas Exposições em Romance"; e "Regimento Proveitoso Contra a Pestenença".

Perspetivas sobre Construir Ciência

Isabel Malaquias, António Andrade, Vítor Bonifácio, Helmuth Malonek (orgs.)
ISBN 978-972-789-475-8
Aveiro: UA Editora
2015

Humanismo e Ciência: Antiguidade e Renascimento

António Andrade, Carlos Mora, João Manuel Torrão (coords.)
ISBN 978-989-26-0941-6
Aveiro: UA Editora; Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra; São Paulo: Annablume Editora
2015

Antígona: a eterna sedução da filha de Édipo

Andrés Pociña, Aurora López, Carlos Morais, Maria de Fátima Sousa Silva
ISBN 978-989-26-1110-5
Imprensa da Universidade de Coimbra; Annablume Editora
2015

Este volume reúne um conjunto de estudos que têm por motivo o mito de Antígona, a sua expressão clássica e a sua recepção moderna e contemporânea, em diferentes contextos culturais (Portugal, Brasil, Espanha, França e Itália).

نگاهی به امپراتوری باشکوه پارس
Olha da Grande Pérsia o Imperio Nobre

Mitra Shahabi e João Teles e Cunha
ISBN 978-964-361-674-8
Teerão: Edição do Ministério de Negócios Estrangeiros
2014

A obra original e a sua tradução de português para o persa em um único livro.

O trabalho original foi uma tentativa de analisar e examinar documentos históricos e relatórios, ilustrando um período de cerca de 250 anos (1750-1507), que lançou as relações entre os dois países do Irão e Portugal.

Literatura homoerótica latina: critérios para uma definição


Carlos de Miguel Mora
ISBN 978-989-8575-52-4
Lisboa: Index ebooks
2014

Neste livro, Carlos de Miguel Mora sugere os critérios pelos quais se poderá julgar o que seria uma sexualidade socialmente aceitável na Roma Antiga, permitindo, assim, compreender o que seria o homoerotismo: a "transgressão" à norma, do ponto de vista do pensamento romano. Os resultados são surpreendentes! Alguns tabus sexuais modernos seriam pura e simplesmente inexistentes ou incompreensíveis no mundo latino; outros, como aquilo a que hoje chamamos “sexo homossexual”, seria considerado perfeitamente normal e socialmente aceite em certas situações da antiguidade clássica, como neste exemplo que o autor refere: "Com efeito, (...) os escravos não são mais que objetos, e, tendo em conta o que custavam, que o dono não os penetrasse era para os romanos tão absurdo como seria para nós comprar um Mercedes e deixá-lo na garagem sem o utilizar." Mais informação em: http://www.indexebooks.com/literatura-homoerotica-latina.html

última atualização a 13-12-2017
Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização.saber mais
Para que esta página funcione corretamente deve ativar a execução de Javascript. Se tal não for possível, algumas funcionalidades poderão estar limitadas.