45 anos da UA
 

Projeto Humanismo, Diáspora e Ciência

O movimento humanista caracterizou-se pela circulação de pessoas e ideias pelo espaço europeu. Os humanistas recriaram o uso das línguas clássicas, moldando-o à expressão exata dos novos conceitos, necessidades e realidades que o nascimento de um mundo literalmente novo exigia. Entregaram-se afanosamente ao projeto matricial de recuperação dos antigos textos greco-latinos numa época em que a imprensa de tipos móveis dava os primeiros passos.

As circunstâncias muito específicas vividas no Portugal de Quinhentos e de Seiscentos, nomeadamente os Descobrimentos e o estabelecimento do Tribunal do Santo Ofício, cuja ação continuada e determinante se estendeu por quase três centenas de anos (1536-1821), condicionaram e moldaram, de uma forma singular, a inovação e a criação cultural e científica desenvolvida no país e fora dele, lançando, não raras vezes, algumas das suas principais figuras, em áreas do saber diversas, nos caminhos da Diáspora, em resultado do seu pensamento, da sua fé ou tão-só da sua ascendência hebraica.

O Humanismo Português deu um contributo decisivo para a revolução cultural e científica que, nos séculos XV e XVI, abalou as estruturas da sociedade europeia e rasgou as fronteiras do mundo conhecido, abrindo as portas à modernidade, um movimento de exploração e de descoberta que viria a ter continuidade e reflexos na obra de outros autores portugueses durante os séc. XVII e XVIII (e.g. João de Loureiro).

Entre os cristãos-novos que abandonaram Portugal, alguns houve que se distinguiram pela excelência da sua obra em múltiplas áreas do conhecimento. Entre todas, a Medicina foi, sem dúvida, a mais bem representada, num tempo em que a figura do médico-filólogo-humanista adquiriu uma notoriedade assinalável, como bem patenteiam os nomes de Amato Lusitano, Garcia de Orta, Filipe Montalto, Francisco Sanches, Luís Nunes, Rodrigo de Castro, Rodrigo e Gabriel da Fonseca, entre outros. Humanismo, Diáspora e Ciência entrecruzam-se de forma inextricável no percurso e na obra destes autores.

Este projeto centra-se no estudo da obra deste conjunto de autores à luz da intersecção de três vetores fundamentais - Humanismo, Diáspora e Ciência -, seja evidenciando as suas características e particularidades nas relações fecundas que estabelecem tanto com as realidades próprias do seu tempo como com os autores e obras da Antiguidade Clássica, seja avaliando o contributo dado pelos mesmos para a renovação dos saberes.

Intercâmbio científico: Centro de História da Sociedade e da Cultura da Univ. de Coimbra; Rede Evropa Renascens: Textos Grecolatinos para la Construcción de Europa.


Investigador responsável: António Manuel Lopes Andrade

Investigadores integrados: Emília Maria Rocha de Oliveira, João Manuel Nunes Torrão e Joana Mestre Costa

Colaboradores: Mafalda Frade

Investigadores em formação: Isabel Capela e Marion Pellier

última atualização a 23-04-2019
Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização.saber mais
Para que esta página funcione corretamente deve ativar a execução de Javascript. Se tal não for possível, algumas funcionalidades poderão estar limitadas.