missões de ensino de curta duração

Mobilidade de docentes para missões de ensino
A mobilidade de docentes entre instituições de ensino superior europeias é incentivada através da concessão de apoio financeiro comunitário para a realização de missões de ensino no âmbito do programa ERASMUS. As missões têm normalmente a duração de uma semana (ou um mínimo de 5 horas de aulas).

O objetivo desta atividade é proporcionar aos professores uma oportunidade de valorização pessoal e profissional, promovendo o intercâmbio de conhecimentos e de experiência em métodos pedagógicos e contribuir para a consolidação e desenvolvimento das ligações entre departamentos e faculdades e para a preparação de futuros projetos de cooperação.

Através desta atividade, o programa ERASMUS procura incentivar as universidades a alargarem e enriquecerem a variedade e o conteúdo da sua oferta de cursos e permitir que os estudantes que não podem participar num programa de mobilidade beneficiem dos conhecimentos e da experiência do corpo docente de universidades de outros países europeus.

Quem pode participar?
São elegíveis para as missões de curta duração Erasmus professores que participem num programa de mobilidade de docentes aprovado ao abrigo de um acordo bilateral Erasmus previamente assinado pela Universidade de Aveiro (UA) e por um estabelecimento parceiro estrangeiro. Os professores têm de ser funcionários da UA.

O estatuto de docente Erasmus é exclusivamente reservado às seguintes pessoas:
- Nacionais de um Estado-Membro da União Europeia ou de outro país participante no programa ERASMUS
- Indivíduos oficialmente reconhecidos por Portugal como refugiados, apátridas ou residentes permanentes.

Candidaturas
Enviar ao Gabinete de Relações Internacionais, até ao dia 31 de outubro de 2013, os seguintes documentos:

Formulário de candidatura

(modelo)

O "programa de ensino"
(brevemente disponível)

Cópia do BI

Critérios de seleção
Na seleção dos docentes, a UA considera como prioritárias as atividades de mobilidade que contribuam para a consolidação e desenvolvimento das ligações entre departamentos e faculdades e para a preparação de futuros projetos de cooperação entre as universidades parceiras e que sejam objeto de acordo prévio entre a UA e o estabelecimento parceiro.Para assegurar a participação de um maior número de docentes, será dada prioridade a docentes que acedam à mobilidade pela primeira vez.

Participação de docentes portadores de deficiência
A Comissão Europeia, atravês da Agência Nacional para o Programa Aprendizagem ao Longo da Vida (ALV), desenvolve uma política no sentido de promover a participação dos docentes portadores de deficiência na mobilidade ERASMUS. Esta política traduz-se na atribuição de um valor de bolsa superior aos restantes docentes tendo em conta as necessidades especiais do caso em apreço. Para o efeito, as UA apresentará, junto da Agência Nacional ALV a candidatura dos docentes nestas condições.

Bolsas
As bolsas ERASMUS destinam-se a cobrir os custos adicionais da mobilidade, isto é, as despesas resultantes de um índice de custo de vida mais elevado no país de acolhimento. As bolsas de mobilidade não se destinam a cobrir integralmente despesas referentes ao ensino no estrangeiro.

Tabela de Valores de Bolsas

(brevemente disponível)

De acordo com as verbas disponíveis, a Agência Nacional ALV estabeleceu o montante de cada bolsa em função do país de destino e do número de semanas de estada. Existe, assim, para cada situação, um valor máximo que não pode ser ultrapassado tal como discriminado na tabela de bolsas.

última atualização a 08-04-2015
Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização.saber mais
Para que esta página funcione corretamente deve ativar a execução de Javascript. Se tal não for possível, algumas funcionalidades poderão estar limitadas.