SEXLAB TRANSFERE-SE PARA UNIVERSIDADE DO PORTO E PROCURA NOVOS VOLUNTÁRIOS PARA ESTUDOS SOBRE DISFUNÇÃO ERÉCTIL



O SexLab, Laboratório pioneiro na investigação em Sexualidade em Portugal, criado em 2008 na Universidade de Aveiro, está agora sediado na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. 

O Laboratório, que resultou de uma parceria entre a Universidade de Coimbra (através do centro de investigação CINEICC) a Universidade de Aveiro e actualmente a Universidade do Porto, é coordenado por Pedro Nobre e conta com 10 investigadores (6 pós-doutorados e 4 doutorandos). 

Esta mudança permite ao SexLab melhores condições de investigação e maior proximidade com uma das áreas metropolitanas mais populosas do país, possibilitando aumentar o seu âmbito de intervenção (investigação e apoio clínico) e chegar a um maior número de potenciais interessados.

Aproveitando a efeméride do Dia Europeu de Saúde Sexual (Dia de São Valentim), o novo SexLab vai arrancar com dois estudos inovadores, oferecendo tratamento gratuito a homens com disfunção eréctil. 

Um dos estudos será conduzido no Laboratório e pretende testar o efeito de variáveis psicológicas (personalidade, crenças, pensamentos, emoções) na resposta sexual, comparando homens com e sem dificuldades de erecção. 

O segundo estudo será de natureza clínica e pretende avaliar a eficácia de um programa de tratamento psicológico para a disfunção eréctil.  

Estes estudos permitirão, não só compreender melhor as causas psicológicas da disfunção eréctil, como testar o efeito de um tratamento psicológico (terapia cognitivo-comportamental) que é usado com bastante sucesso numa grande diversidade de problemas emocionais.  

Para ambos os estudos, o SexLab necessita da participação voluntária de homens entre os 18 e os 50 anos, com dificuldades de erecção sem causa médica associada. Os voluntários que participem nos dois estudos, para além do tratamento gratuito, recebem ainda um vale no valor de 30 euros.  

Os estudos de natureza experimental e psicofisiológica em sexologia são escassos em Portugal, sendo que o SexLab é o único no país e integra a rede internacional SexLab (coordenada por Erick Janssen do Instituto Kinsey nos EUA) composta por 11 laboratórios que trabalham nesta área em todo o mundo (http://www.indiana.edu/~sexlab/labs.html).

Para participar e obter mais informações sobre os estudos:

E-mail | sexlab@fpce.up.pt

Website | http://www.fpce.up.pt/sexlab

_____________________________________________


SEXLAB INICIA NOVOS ESTUDOS SOBRE DISFUNÇÃO ERÉCTIL NO DIA EUROPEU DE SAÚDE SEXUAL – DIA DE SÃO VALENTIM

 SEXLAB PROCURA VOLUNTÁRIOS PARA DOIS ESTUDOS INOVADORES SOBRE DISFUNÇÃO ERÉCTIL

 

ESTUDO 1

PREDITORES DE RESPOSTA SEXUAL EM HOMENS COM DISFUNÇÃO ERÉCTIL 

O SexLab vai iniciar um novo estudo experimental sobre os preditores da resposta sexual masculina em homens com dificuldades ao nível da erecção. Os participantes deverão ter dificuldades de erecção, ter idades compreendidas entre os 18 e os 40 anos, ausência de psicopatologia e problemas de saúde ou toma de medicação que interfiram com a resposta sexual.

Todos os procedimentos serão efectuados garantindo a total privacidade e confidencialidade dos participantes (decorrendo numa sala privada sem qualquer observação ou intervenção directa por parte dos investigadores). A sessão em laboratório terá a duração de aproximadamente 90 minutos e os participantes receberão um vale no valor de 30 euros.

 

Com o objectivo principal de perceber quais as variáveis psicológicas que ajudam a explicar a disfunção eréctil, este é o primeiro estudo em Portugal a avaliar a resposta sexual fisiológica em laboratório com recurso a populações clínicas e conta com financiamento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.


ESTUDO 2

TRATAMENTO DA DISFUNÇÃO ERÉCTIL 

O SexLab vai oferecer um programa de tratamento para a disfunção eréctil que pretende avaliar a eficácia da psicoterapia cognitivo-comportamental. Este estudo, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, irá necessitar, numa primeira fase, de 20 participantes com o diagnóstico de Disfunção Eréctil devido a fatores psicológicos (dificuldades de ereção sem causa médica associada), com idades entre os 18 e os 50 anos, numa relação heterossexual há 6 meses ou mais, sem psicopatologia e problemas de saúde ou toma de medicação que interfiram com a resposta sexual. Numa segunda fase serão oferecidos mais 90 tratamentos.

Os voluntários receberão tratamento psicológico de forma gratuita durante um período de 3 meses, sendo avaliados no início, durante e no final da intervenção. Os terapeutas envolvidos são psicólogos clínicos com formação especializada em terapia sexual, reconhecidos pela Sociedade Portuguesa de Sexologia Clínica.

A terapia cognitivo-comportamental é uma intervenção psicológica utilizada com sucesso numa grande variedade de problemas psicológicos (desde a ansiedade até à depressão) e tem sido aplicada de forma sistemática também no domínio das dificuldades sexuais.

Este estudo pode ter implicações muito importantes no desenvolvimento e aperfeiçoamento de tratamentos psicológicos mais eficazes para as dificuldades sexuais e ajudar a desvendar os mecanismos de mudança terapêutica, permitindo um melhor conhecimento dos processos envolvidos no sucesso terapêutico.

Nesta fase estamos fortemente empenhados em fazer chegar esta mensagem aos milhares de homens que sofrem de Disfunção Eréctil (que um estudo recente conduzido por investigadores do SexLab estima em 10% da população masculina), apelando à sua participação neste estudo.

Para participar e obter mais informações sobre os estudos:

E-mail | sexlab@fpce.up.pt

Website | http://www.fpce.up.pt/sexlab

_______________________________________

NOVO ESTUDO ONLINE

Funcionamento Sexual em Heterossexuais, Gays e Lésbicas

Encontra-se neste momento´a decorrer um estudo online intitulado "Funcionamento Sexual em Heterossexuais, Gays e Lésbicas – Fatores cognitivos, afetivos, emocionais e relacionais", integrado no Projeto de Doutoramento em Psicologia da aluna Maria Manuela Peixoto, sob a orientação do Professor Doutor Pedro Nobre (Universidade de Aveiro).

O presente estudo tem como principal objetivo contribuir para a compreensão do funcionamento sexual em heterossexuais, gays e lésbicas. Desta forma, pretende-se avaliar os principais comportamentos e práticas sexuais, bem como as dificuldades sexuais mais comuns e os fatores cognitivos, afetivos, emocionais e relacionais associados. Para além do objetivo de aumentar o conhecimento científico na área, este estudo pretende, de igual forma, contribuir para a formação mais específica dos profissionais de saúde.

Para a concretização destes objetivos solicitamos a colaboração de homens e mulheres com mais de 18 anos de idade e que se identifiquem como heterossexuais, gays ou lésbicas, ou homens que têm sexo com homens e mulheres que têm sexo com mulheres. Para participar deverá selecionar o link seguinte:http://wsl2.cemed.ua.pt/dshgl/.

Os questionários são completamente anónimos, não sendo pedidos dados que possam identificar as pessoas que a eles respondem, nem sendo guardado qualquer registo do IP utilizado. 

Caso deseje obter qualquer tipo de informação adicional sobre este projeto poderá fazê-lo através do contacto de email:manuela.peixoto@ua.pt



ESTUDO SOBRE DISFUNÇÃO ERÉCTIL

 

INVESTIGAÇÃO CALCULA QUE 10% DOS HOMENS TENHA DIFICULDADES DE ERECÇÃO

A investigação abrangeu 650 homens, numa amostra que se aproxima das características sócio-demográficas da população portuguesa.

“São números consistentes com a generalidade dos estudos anteriores feitos em Portugal e noutros países, que oscilam entre os cinco e 10%», diz Pedro Nobre, psicólogo clínico e coordenador do SexLab. Foram classificados como sofrendo de disfunção eréctil os homens que responderam a questionários, realizados no ano passado, dizendo ter dificuldades de erecção em pelo menos metade das relações sexuais.

Este diagnóstico é uma primeira parte de um projecto que pretende depois avaliar homens com disfunção eréctil cujas causas sejam de tipo psicológico. “Há uma grande discussão em termo das causas, o mais comum é que existam causas médicas e psicológicas mas há situações em que não se encontram causas médicas objectivas”. Pedro Nobre fala do que designa de “disfunção eréctil situacional, são homens que, em algumas situações, não conseguem a erecção”. 

As causas médicas mais frequentes são a diabetes, causas cardiovasculares, mas também o efeito de medicação contra a hipertensão e a depressão pode originar disfunção. 

O investigador nota que existem estudos sobre a eficácia de fármacos usados na disfunção eréctil mas escasseiam os estudos sobre a eficácia dos tratamentos de psicoterapia. E é este o objectivo do projecto para o qual procuram 20 voluntários entre os 18 e 40 anos com o diagnóstico de disfunção eréctil devido a factores psicológicos (dificuldades de erecção sem causa médica associada). Numa segunda fase, o SexLab vai oferecer mais 90 tratamentos (www.ua.pt/sexlab). 

Pedro Nobre lamenta que a rede pública de consultas de terapia sexual seja “infelizmente escassa e centrada apenas nos hospitais centrais de Lisboa, Porto e Coimbra”.

Os voluntários receberão tratamento psicológico durante um período de três meses, sendo avaliados no início, durante e no final da intervenção. Para participar envie email para
estudo.sexlab.ua@gmail.com.

                                                                                                                        in Jornal Público

__________________________________________________________________________________

NOTÍCIAS EM DESTAQUE

“MACHOS LATINOS” MAIS VULNERÁVEIS À DISFUNÇÃO ERÉCTIL?

Novo estudo do SexLab pretende demonstrar que as altas expectativas quanto à performance sexual podem deitar os “machos” por terra.  No P3- Jornal Público.


“PORTUGUESE UNIVERSITY TO PAY STUDENTS TO WATCH PORNOGRAPHY FOR STUDY ON MALE ERECTILE DYSFUNCTION” 

The study will be conducted by the university's Laboratory Research Unit on Human Sexuality, known by its Portuguese acronym as "SexLab".  NY Daily News.


Este sítio web utiliza cookies sem recolher informação pessoal que permita a identificação dos utilizadores. Ao navegar neste sítio está a consentir a sua utilização. saber mais
[X]